Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza

Tag: cabelo crespo

Seja um expert em cachos e transição capilar
São muitas as brasileiras cacheadas ou crespas que não querem mais alisar os fios. A tendência só vem crescendo nos últimos anos, graças à luta feminina contra o preconceito — de origens, tipo de corpo e, claro, de cabelo. O lema atual é “ame-se do jeito que você é”. A procura no Google por cabelo afro e cabelos cacheados cresceu muito nos últimos anos e as celebridades e influenciadoras digitais têm muito a ver com isso. No YouTube, é comum encontrar tutoriais incríveis de mulheres que passaram pela transição capilar e desejam inspirar uma multidão. Mas saiba que além de tudo o que a cliente pode fazer sozinha, em casa, para recuperar os fios naturais (e a autoestima), o cabeleireiro também deve ajudar durante o processo. E, de preferência, um especialista em cachos. Ele é uma figura fundamental na transição capilar, porque conhece os produtos adequados, os tratamentos profissionais e os cuidados frequentes que serão necessários na recuperação do cabelo natural. Toda a mudança de rotina (com seus dramas e dificuldades) pela qual a cliente vai passar, certamente se torna bem mais fácil com as orientações e dicas de um expert. Com ele, a mulher irá aprender sobre o tipo de cabelo dela, como finalizar os cachos até que eles fiquem mais definidos e como domar o volume esquisito e indesejável que parece não ter fim. O expert faz a diferença “Durante a minha transição capilar fiquei longe dos cabeleireiros tradicionais. Todos diziam que meu cabelo era ressecado e me orientavam a fazer novos processos químicos. Quando tive ajuda de uma cabeleireira especializada em fios afro tudo ficou mais fácil. Ela me incentivou e não ficava falando que meu cabelo era ‘ruim’”, conta Rebecca Araújo Yoshida, que há 5 anos desistiu da progressiva e hoje nutre uma paixão pelos seus caracóis. A mesma empatia acontece com Simone Fernandes, de São Paulo: “A grande lição que tive é que cabelo enrolado não pode ser entregue nas mãos de qualquer cabeleireiro, exige técnicas e cuidados especiais. É importante cortar o cabelo com um especialista em cachos, que tenha técnicas adequadas para a espessura e o grau de ondulação do cabelo, que harmonize o corte com o seu tipo de rosto, que atenda às expectativas de cada um, no sentido de tornar os cuidados no dia a dia mais práticos. Quando eu encontrei um cabeleireiro que me fez confiar que eu poderia lidar com meu cabelo tanto na fase de transição capilar quanto depois, com os cachos, me senti mais segura”, explica Simone. Curso especialista em cachos Precisando de uma orientação para ter o diferencial como cabeleireiro e se tornar um profissional requisitado em transição capilar? O Instituto Embelleze desenvolveu o curso Especialista em Cachos para oferecer ferramentas no trato com o fio cacheado. Esse tipo de cabelo exige cuidados exclusivos, assim como técnicas de corte, coloração e descoloração diferentes das convencionais. Por isso, no curso, o aluno conta com um material exclusivo, atualizado e desenvolvido com as técnicas e os estudos mais atualizados referentes ao cabelo cacheado. O futuro especialista também irá desenvolver habilidades práticas durante todo o curso para tornar-se um profissional de excelência perante o mercado de trabalho. Elas reconquistaram os fios naturais com a ajuda de cabeleireiros especiais Rebecca, Simone e Valéria passaram pela transição capilar e garantem: é libertador! O sentimento é unânime, elas se sentem mais seguras e felizes. A seguir, as ex-lisas contam suas experiências no processo de reconquista de suas ondas.         
> Leia mais
Loiro ou castanho?
Escurecer o cabelo é sempre mais simples do que clarear — afinal, as bases marrons tendem a cobrir bem os tons da cartela de loiros. No entanto, para o resultado ficar perfeito e os fios, a salvo de danos, os dois processos exigem tempo e uma análise minuciosa do estado da fibra capilar. Se a estrutura estiver muito danificada ou porosa, é importante fazer uma hidratação prévia com produtos identificados como pré-colorantes, que promovem o fechamento das cutículas. Cabelos porosos podem ficar manchados, pois algumas mechas absorvem mais o pigmento da coloração do que outras. Depois de colorir, é necessário selar a cutícula e neutralizar os resíduos oxidantes das tinturas. Os processos químicos desequilibram o pH e a estrutura interna dos fios. Os produtos pós-coloração contêm agentes umectantes, que devolvem a água perdida, evitam que a tinta se solte e prolongam a cor. Entenda a seguir qual é o caminho ideal para ficar loira ou morena — e feliz! DE LOIRO PARA CASTANHO A atriz Paolla Oliveira deu adeus ao loiro e entrou na tendência chocolate amargo para viver a personagem Virgínia na próxima novela das nove A Dona do Pedaço (Globo), Os responsáveis pela transformação foram os cabeleireiros Getúlio Cruz, do salão C.Kamura Rio, e Marcos Padilha, do Lab. Duda Molinos.Veja neste vídeo como ela anunciou aos fãs a sua morenice...     Como tingir A cor chocolate amargo fica bem em peles claras, morenas e negras. Mas só um cabeleireiro profissional pode indicar a necessidade de uma mistura com outro tom ou uma técnica de iluminação (como a ombré) ou uma mudança na nuance de base para você conquistar a tonalidade da moda — ou a que mais vai valorizar a sua beleza. Os fios pretos naturais têm uma pigmentação muito intensa, mas o chocolate amargo consegue dar uma boa cobertura, porque pega bem e também faz uma transformação mais sutil no visual. Se o cabelo tem tintura preta, daí é preciso passar antes por uma decapagem. Porém, atenção: somente um profissional pode fazer o processo de forma segura para a saúde dos seus fios! Cabelos claros, com menos pigmentos fixados na fibra capilar, podem ficar manchados por causa das falhas na fixação da cor nas mechas. Para não correr esse risco, o ideal é ir do claro ao escuro aos poucos, adotando um ou dois tons mais escuros que a nuance de base por vez. Uma solução para escurecer os fios de uma só vez, é a pré-pigmentação. Primeiro o cabelo recebe um pigmento fixador e depois é tingido com a tonalidade de castanho escuro. Como manter a cor Agentes agressores, como sol, secador, água quente e chapinha, avermelham e levar embora a cor do cabelo. Proteja os fios tingidos usando produtos com filtro solar na fórmula e que contenham ingredientes que seguram o tom. Os xampus antioxidantes são ótimos para devolver o brilho perdido. Soluções para desbotamento Quando o castanho estiver desbotando pela ação dos agentes externos, revive a cor com um tonalizante do mesmo tom da coloração permanente. O produto vai adiar o retoque por mais uns 15 dias. O reflexo ficou alaranjado ou avermelhado? Para evitar, na próxima coloração, inclua tons frios, como cinzas ou mate. Se o chocolate amargo deixar o seu visual meio apagado, use nas lavagens xampus e cremes que restauram o brilho. Um truque instantâneo é borrifar spray de brilho nos fios secos sempre que sentir a cor muito densa. Destaque o cabelo castanho Para isso, tire proveito da maquiagem... Os tons terrosos, do blush à sombra, são neutros e básicos para o dia a dia. Não tem como errar! Brinque também com as cores marrom, rosa e azul. O batom acobreado, vinho ou vermelho são ótimas opções.   DE CASTANHO PARA LOIRO O hairstylist Wilson Eliodorio, especialista em fios crespos e cacheados, é o mago do cabelo afro da atriz Lucy Ramos há um tempão. E ela entregou a ele a missão de radicalizar a cor de seus fios, mudando do castanho acobreado para o loiro mel. Tudo para entrar de corpo e alma no papel de Silvia, também da novela A Dona do Pedaço. Como adora cuidar do próprio cabelo e sabe bem do que os crespos precisam, Lucy explica que ainda faltam algumas etapas de coloração para que o loiro fique mais claro e atinja o tom ideal. Ela já declarou à imprensa: “Os fios crespos são muito sensíveis. Não dá para fazer tudo de uma vez, porque ou você chega na cor de uma vez e fica sem cabelo, ou demora um pouco mais e fica com o cabelo”. Vamos guardar a dica, né? Veja neste vídeo como Lucy ficou lindamente loira...     Como tingir Mais do que para qualquer outra coloração, a loira exige fios saudáveis e bem tratados. Nunca faça relaxamento, escova progressiva ou alisamento antes de um processo de clareamento. Tanto peles claras quanto escuras ficam bem de loiro. De modo geral, loiro acinzentado, bege, camomila e claríssimo cai como luva na pele branca; dourado, loiro-escuro e reflexos acobreados para morenas; e dourado e acobreado vão bem em negras. Se o seu cabelo é virgem o processo de clareamento é mais fácil. Há a possibilidade de fazer uma descoloração gradual com tinta permanente loiro. A descoloração (mix de pó descolorante com água oxigenada ou amônia) é indicada para fios que estão com pigmentos castanhos: é um clareamento power feito para que a tintura loiro “pegue” no cabelo. Já quem tingiu o cabelo de preto precisará passar por uma decapagem, um método que retira a tintura antes de uma nova cor clara ser aplicada em vez de apenas clarear os fios. Ao remover a coloração antiga, a decapagem abre espaço no córtex capilar para que o fio possa receber a tonalidade mais clara. Tudo isso realizado sob os cuidados de um profissional habilitado, como os capacitados pelo Instituto Embelleze, não há perigo. Mas se você cair em mãos erradas... pode ficar com as madeixas manchadas, fracas e quebradiças, sem falar que o enfraquecimento pode provocar a queda. Como manter a cor O sol não modifica tanto o aspecto da tintura clara quanto o das mais escuras. Mas, em compensação, o clareamento do cabelo sempre está associado ao processo de oxidação, um dos mais danosos para os fios. Se o cabelo não for bem tratado, ele perde força, elasticidade e maciez e resseca. Portanto, o ideal é usar e abusar de produtos com ingredientes altamente hidratantes e que evitam que o loiro desbote ou fique amarelado. Soluções para desbotamento Por mais que a raiz escura não seja mais um sinal de desleixo no cabelo loiro e, sim, um toque de modernidade, as loiras não gostam. Então, o jeito é retocar a raiz a cada 15 dias. O mais importante é que se utilizem os mesmos produtos e nuances para um resultado uniforme de cor. Em relação a comprimento e pontas, melhor só esticar a tinta quando os fios estiverem opacos ou amarelados, o que se faz, em média, a cada três meses. Caso contrário, as pontas ficam fragilizadas e podem se romper. Se os fios ficarem verdes, pelo uso de piscina, e faltar algum tempo para retocar, use um tonalizante da cor mais próxima à sua. Para prevenir o efeito esverdeado, antes de nadar, aplique um creme protetor com silicone nos fios. Destaque o cabelo loiro Para isso, tire proveito da maquiagem... Abuse do rímel e contorne os olhos com lápis preto esfumado. Esse truque ajuda a aumentar o contraste com o loiro, principalmente se os olhos forem castanhos. Para colorir e ressaltar os olhos, invista nos tons de sombra marrom, bege, rosa, verde, cinza e prata. Gloss ou batom rosa-pálido resolvem a boca com classe no dia a dia. Pó com efeito bronzeador deixa o rosto em sintonia com o brilho do cabelo. Pode usar, especialmente à noite.   Outras famosas que também radicalizaram o visual       As atrizes Giovanna Lancellotti e Monica Iozzi transformaram as longas madeixas castanhas em loiro claríssimo!
> Leia mais
Como fazer a transição capilar sem sofrer
Celebridades, como a cantora Ludmilla e até a ex-primeira dama americana, Michelle Obama, estão arrasando com seus cachos naturais depois da transição capilar. O processo consiste em recuperar e assumir o formato ondulado ou crespo depois de ser lisa por um determinado período de químicas artificiais. Sair da progressiva, escova definitiva, relaxamento ou outros métodos não é nada fácil, a gente sabe, afinal demanda muita paciência e cuidados especiais durante um bom tempo. Mas quem já encarou a situação assina embaixo: vale a pena! E é justamente essa propagação positiva a responsável pela forte tendência na adesão de cada vez mais mulheres à transição capilar. Entre os motivos relevantes dessa mudança de comportamento estão o poder nocivo das substâncias que alisam e a libertação de ter um cabelo cacheado natural (e por consequência mais saudável!). Se você é cabeleireiro profissional, saiba que pode ajudar e muito sua cliente “artificialmente lisa” a resgatar os fios naturais. Precisa de uma orientação? Então siga o nosso guia completo que ensina a passar por todas as etapas da transição capilar sem sofrer.       A cantora Ludmilla e Michelle Obama antes e depois da transição capilar      FASE 1 – Abandonar a química A partir do momento que você decide não retocar mais o procedimento químico, é preciso segurar a ansiedade e começar a exercitar a paciência. Para uma transição capilar sem drama ou complicações, a melhor saída é focar no objetivo de recuperar os fios naturais e a saúde do cabelo. “Isso porque o processo pode ser demorado e diferente para cada tipo de cabelo, então é preciso saber esperar. E não tem como mensurar o período exato que é necessário, deve ser analisado caso a caso. É bom ter em mente que nenhum produto é milagroso, o melhor aliado nesse projeto é mesmo o tempo”, enfatiza Douglas Baptista, cabeleireiro e gestor Pedagógico do Instituto Embelleze Franchising. Outro ponto importante é que quanto maior a diferença de textura entre os fios naturais e os processados quimicamente, maior a necessidade de saber esperar. Mas além de resiliência, alguns métodos podem ajudar bastante como penteados que disfarçam, um bom corte (na hora certa!), produtos que nutrem e hidratam e cuidados essenciais no dia a dia. Tudo isso pode amenizar a angústia dessa fase de ansiedade. “Esse arsenal de alternativas, além de auxiliar na beleza e saúde do fio, auxilia na harmonização de texturas similares entre pontas e raiz e no crescimento do cabelo, fazendo com que o período da transição capilar passe mais rápido”, garante Douglas. FASE 2 – Esperar o cabelo crescer Além da paciência, a transição capilar ainda envolve a autoestima, tema delicado para as mulheres. No entanto, existem alguns cuidados especiais para resistir (e persistir) com tranquilidade neste período em que o cabelo fica sem forma e com um volume indesejado. Hora de se munir com alguns truques espertos para viver em paz com a raiz ondulada e o comprimento liso: Não vá contra a natureza. Pense sob o ponto de vista de aceitar o cabelo como ele é, e assumir sua identidade. “Isso significa, antes de qualquer coisa, uma desconstrução de padrões, o que é libertador tanto físico quanto socialmente”, destaca Douglas Baptista. Afinal, quem disse que cabelo bonito é necessariamente liso? Essa aceitação do natural só aumenta a autoestima e favorece bastante o processo de resgate dos cachos. Aproveite para brincar com a sua imagem. Use o período de transição capilar para abusar dos acessórios e adotar um visual diferente. Lance mão de lenços, turbantes e bandanas – os tecidos estão super em alta como adorno de cabeça. Então, se joga! Penteados são sempre um sucesso. Não faltam opções para deixar os cabelos presos com estilo: moicanos, tranças embutidas nas laterais ou partindo da região da frente da cabeça e, claro, o clássico rabo de cavalo são bem-vindos. E para quem gosta de sair do lugar-comum, os famosos apliques e as extensões capilares também podem ser muito úteis nesta fase da transição capilar. Não hesite em optar pela texturização. Isto é, uma técnica para disfarçar a diferença entre as duas texturas: a do cabelo cacheado que vai nascendo e a da parte alisada que vai perdendo o jeito de fio reto e pode ficar com uma ondulação estranha. O método da texturização é simples: consiste em cachear a parte alisada com bobes ou bigudinhos. A dica aqui é evitar ferramentas de calor, como o babyliss, por conta da fragilidade em que o fio se encontra. Invista no cosmético certo. Neste período da transição capilar, os fios estão mais porosos, sem vida e quebradiços, portanto é indispensável investir numa linha de xampu, condicionador e leave-in rica em proteínas e ativos emolientes e regeneradores, os mesmos indicados para cabelos secos e quimicamente danificados. Uma vez por semana é preciso fazer um protocolo com uma máscara bem hidratante para repor a água dos fios, que pode ser potencializada com o uso de uma ampola power, também de hidratação. Além disso, alguns detalhes ajudam e muito! Veja só: A ideia é não economizar nos cremes de pentear, leave-ins e máscaras de finalização, que ajudam a dar forma ao cabelo e, por consequência, mantê-lo domado. Fuja dos xampus anti-resíduos ou de limpeza profunda, porque são agressivos. A transição capilar fragiliza a fibra e é comum ela quebrar e cair com um pouco mais de facilidade. Formulações suaves, como nos produtos Low e No Poo, higienizam na medida certa. Elas contêm pouco ou nenhum sabão detergente, evitando, assim, que os tratamentos de hidratação sejam removidos, mantendo o fio hidratado e nutrido. Invista da linha DNA do Cacho, da Embelleze, para tratamentos em salão, além de cuidar da saúde do fio, mantém uma curvatura bonita e natural, mesmo na etapa difícil da transição capilar. FASE 3 – Cuidar intensamente da saúde dos fios O fio danificado por químicas alisantes perde sua proteção natural – as cutículas; e, com o tempo, fica desidratado, sem nutrientes e com pouca matéria. Sim, não sobra quase nada! O cronograma capilar é fundamental nesta fase. Os tratamentos do calendário, que alternam hidratação, nutrição e reconstrução são muito úteis, pois têm princípios ativos diferentes e se complementam fornecendo aos fios tudo o que eles precisam na etapa de fragilidade extrema. A hidratação, feita com máscaras concentradas, repõe a água. A nutrição recupera o lipídeo (aquela oleosidade natural da raiz que nutre o fio) e os ativos essenciais, e pode ser feita com óleos comerciais, de linha, ou os naturais como, por exemplo, o de coco, amêndoa ou oliva. A reconstrução é essencial para recuperar a queratina e formar de novo a cadeia de aminoácidos que reestrutura o fio danificado por químicas pesadas, como as dos métodos de alisamento. Geralmente, os produtos ideais para reconstruir o fio são à base de óleos e manteigas, como os de karité, argan, murumuru. FASE 4 – Livrar-se de vez da parte lisa do cabelo Quando chega a fase em que já é possível cortar uma boa parte dos fios alisados e começar a dar forma ao caimento dos fios naturais é sinal de que a angústia da transição capilar está chegando ao fim! No entanto, é preciso conhecimento para saber qual o momento certo de recorrer à tesoura. Dependendo do caimento do cabelo, quando a raiz crespa começa a crescer, o comprimento costuma ficar muito irregular, por isso é importante ouvir a opinião de um cabeleireiro. Em alguns casos o corte reto, o mais desejado pelas mulheres por significar “adeus à tortura”, pode deixar as pontas desiguais e não ter um caimento harmônico. Já o corte em camadas é quase sempre a melhor solução, pois ele traz simetria ao cabelo. Mas ainda assim é importante analisar caso a caso, pois essa teoria pode não se aplicar para algumas mulheres. Só mesmo um profissional especializado para indicar a hora e o estilo do corte correto. As mais corajosas costumam cortar o mal pela raiz, literalmente. Se jogam no corte radical, bem curtinho, conhecido como Big Chop – nesse caso, não há nenhuma contraindicação, é só querer.    A atriz Nathalie Emmanuel também decidiu assumir os lindos cachos
> Leia mais
Botox capilar para homens
Passar um bom tempo em frente ao espelho e ostentar fios bonitos e bem cuidados não é mais exclusividade das mulheres. De uns tempos pra cá, os homens resolveram assumir sua vaidade e se dedicar mais aos cuidados com a beleza. Super de boas! Tanto que a febre do momento é o botox capilar masculino, uma tendência que está bombando entre os procedimentos feitos por eles nas barbearias e nos salões. Rodrigo Lima, diretor artístico do salão Circus, de São Paulo, com duas unidades na região da Paulista – uma na Augusta e outra na Pamplona – credita essa mudança de comportamento a uma nova postura. “O homem está se cuidando muito mais e procurando meios para manter um estilo, a saúde e o bem-estar. E, claro, que nessa busca entra uma primazia com o visual, para deixar o cabelo com bom caimento, sem frizz e com um brilho bacana. É visível como aumentou a procura por procedimentos que deixam os cabelos mais estruturados e alinhados”, pontua o cabeleireiro, proprietário do espaço que já tem 50% de homens entre a sua clientela. Mas atenção antes de correr em busca do botox capilar: o tratamento pode ter nomes diferentes conforme a região do país, podendo ser chamado também de plástica dos fios ou escova orgânica. E mais: é o mesmo tratamento que já faz sucesso entre as mulheres há algumas temporadas. Saiba tudo sobre o assunto agora. Como funciona O botox capilar tem como principal vantagem devolver componentes perdidos pelo cabelo no dia a dia, como ceramidas, queratina e lipídeos. Também fecha as cutículas do fio, aquelas escamas protetoras, trazendo brilho e alinhamento à fibra capilar, além de garantir uma hidratação potente. “É importante lembrar que o botox capilar não necessariamente alisa o cabelo, mas sim reduz volume e frizz”, destaca Rodrigo Lima. Para quem é indicado Homens que não têm química nos cabelos possuem poucas restrições — a maioria é liberada para fazer essa técnica de tratamento. O formato do cabelo também não implica em nada, seja reto, seja ondulado. Por outro lado, é sempre válido uma análise e diagnóstico do cabeleireiro antes de optar por qualquer procedimento para definir se o cabelo realmente precisa do procedimento ou não. Muitas vezes, a mudança de um produto no cotidiano já resolve, mas só mesmo um profissional especializado para falar. É importante lembrar que em casos de problemas, como queda de cabelo ou afinamento excessivo do fio, é bom se consultar como um médico previamente para determinar a possibilidade da realização do botox capilar. “Tome cuidado também com a mistura de químicas! Não é recomendável fazer o botox capilar em cabelo descolorido ou com outras químicas”, aconselha Rodrigo Lima. Manutenção Vai depender do efeito desejado, mas em linhas gerais, na maioria dos casos, os retoques são feitos em média, a cada dois meses. Novamente é importante lembrar que o produto utilizado é que define essa variação. “O número de lavagens interfere diretamente também, porém se considerarmos que a maioria dos homens lava o cabelo todo dia, a média do tempo de duração do tratamento é de 30 a 40 dias”, mensura Rodrigo Lima. Alguns cuidados no dia a dia não estendem o tempo de duração do procedimento, mas aumentam o grau de satisfação com o efeito desejado do botox capilar como, por exemplo, manter a hidratação semanal e evitar produtos anti-resíduos para não mandar embora os ativos utilizados no salão. A dica básica para garantir o realinhamento capilar e preenchimento da fibra é escolher uma linha de xampu e condicionador com ação de plástica dos fios ou que contenham ceramidas, colágeno, arginina e queratina na fórmula. Para turbinar a hidratação, use máscara com efeito de reconstrução do cronograma capilar uma vez por semana (ou de acordo com indicação do cabeleireiro).    
> Leia mais
CORTES DE CABELO MASCULINO PARA CRESPOS, ONDULADOS E LISOS
Desde que a indústria da moda e da beleza olhou para a ala masculina de modo especial, as novidades nunca mais pararam de surgir. Das passarelas fashion saem roupas cheias de bossa e cortes e penteados repletos de charme e estilo. Nada mais é apenas o tradicional para os homens. Tanto que até a clássica profissão de barbeiro não é mais a mesma. Há algum tempo as barbearias têm investido alto em informação e capacitação para trabalhar com técnicas modernas e diferenciadas e, assim, atender aos desejos do público masculino. No quesito cabelo, as tendências estão cada vez mais ousadas. A influência americana e europeia trouxe formas e texturas que, definitivamente, subiram à cabeça deles. “Para este ano, não tenho dúvida de que, dentre os cortes de cabelo masculino da moda, o graduado e suas variações vai ser o grande hit. Conhecido popularmente como degradê (em inglês, fade), o corte se concentra na parte de baixo da cabeça, a partir das orelhas — laterais, trás e nuca. O topo pode ser elaborado a gosto do cliente”, diz Jimmy Medeiros, instrutor do curso de Barbearia do Instituto Embeleze de Taguatinga, Brasília. De acordo com o expert, o estilo que combina base graduada e corte livre na parte superior é chamado de corte híbrido e é exatamente essa proposta que vai pegar. Quer saber o que vem por aí e como fazer a melhor escolha para cada tipo de cabelo? Leia a seguir!    Graduado médio com nudred: ideal para cabelo afro Foto: Reprodução/Instagram Corte Também chamado de mid fade e taper fade, o graduado médio é feito à máquina nas laterais. A gradação (ou esfumado) fica restrita à base da cabeça e os pentes utilizados na máquina de corte são 0 (zero), ½ (meio) e 1 (um). “Para o graduado médio a linha inicial é feita com o 0 (zero) e deverá subir, aproximadamente, dois dedos da nuca e também nas laterais, tendo a altura das orelhas ou das sobrancelhas como referência de limite. Já na parte superior da cabeça, o comprimento dos fios deve ter, no mínimo, dois centímetros de altura”, explica Jimmy. Penteado A onda agora é pentear os fios longos do topo da cabeça com a esponja nudred. Esse produto é próprio para cabelo crespo ou afro, curtos, e específico para fazer cachos. Parece uma esponja de lavar louça, porém é bem grossa e um dos lados é todo perfurado para modelar os cachos. Na hora de produzir o penteado, aplique um pouco de pomada de modelagem no cabelo e passe o lado com furos da esponja sobre os fios em movimentos circulares, no sentido horário. Passe quantas vezes forem necessárias até formar os cachinhos. Finalize com uma névoa de spray fixador.   Graduado navalhado com mechas quiff: para cabelo ondulado a cacheado Foto: Reprodução/Instagram Corte O corte de cabelo masculino também conhecido como high fade nasceu nos anos 1950. Ele tem a parte superior elaborada com mechas quiff, que em inglês significa topete. Ou seja, o corte não passa de um degradê longo em cima, formando um topete alto, e mais curto no restante da cabeça. “Nessa gradação, cria-se inicialmente uma linha com o pente 0 (zero) da máquina e, toda a região abaixo desta linha, é cortada com a navalhete. Depois, deve ser utilizado o pente 0 (zero), ½ (meio) e 1 (um) para fazer a gradação. Já os fios do topo são cortados com tesoura para formar as mechas quiff. Resultado: laterais e o quadrante de trás do cabelo curtos — com tamanho aproximado de 6 cm ou 3 dedos – e o quadrante do meio e da frente do cabelo maiores para que o volume seja valorizado”, diz Jimmy. Penteado A finalização deste corte deve ser feita com secador e escova. Escove de trás para frente até os fios ficarem lisos. Depois, aplique um pouquinho de pomada fixadora de efeito seco nas mãos e penteie as mechas para trás, marcando as camadas do corte. Use spray fixador, se necessário. O visual fica cuidadosamente bagunçado e com uma leve ondulação.     Social curto com topete: indicado para os lisos Foto: Reprodução/Instagram Corte A gradação também pode ser feita no social curto e é perfeita para aquele cliente que foge do pente zero (0) da máquina. “Os pentes utilizados são 1 (um), 1 e ½ (um e meio) e 2 (dois). A nuca e as laterais são trabalhadas primeiro com pente 1. As laterais ficam com altura de 3 a 6 cm (ou dois a três dedos) para poderem ser integradas à parte superior com a gradação, que utiliza pente 1 e ½ (um e meio).  O topo da cabeça é cortado em degradê com tesoura, devendo ficar com 10 cm de comprimento para a criação do topete. Penteado Aplique gel de fixação média a forte em todo o cabelo do topo e, com um pente jacaré (de dentes largos), elabore um topete.   Você também pode aprender a cortar cabelo masculino e se tornar um expert. Informe-se numa unidade do Instituto Embelleze mais próxima a você! 
> Leia mais
ESCOVA FÁCIL NO CABELO CRESPO
A modelo Aline Ingridy ama o seus cachos negroides, mas também curte o efeito liso temporário. Por isso, é adepta da escova quando quer variar o visual. Mas é só vez ou outra mesmo, porque tem o cabelo fininho e frágil. Se você quer aprender a fazer uma escova lisinha e de efeito natural, sem danificar as mechas, acompanhe o passo a passo a seguir feito pelo visagista e cabeleireiro Alisson Lima, do Instituto Embelleze. 1 - Antes de começar, lave o cabelo como de costume e retire apenas 10% da umidade com uma toalha macia. Aplique um produto pré escova, que froma uma capa protetora nos fios. Divida o cabelo horizontalmente em mechas.   2 -Para diminuir o volume do cabelo, a escova foi usada por cima da mecha. As pontas, modeladas de dentro para fora. Nesse processo, o cabelo fica um pouco estático, sem muito balanço. Por outro lado, fica disciplinado.  3 -Depois de bem escovado, finalize com a prancha. 4- Pronto! Cabelo lisinho, lisinho e... lindo!    Conheça o curso Especialista em Cachos do Instituto Embelleze e arrase na escova, no corte, na tintura... Procure uma unidade mais próxima de você
> Leia mais
Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!
Copyright © 2020 · Todos Direitos Reservados