Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Unhas

Shutterstock

MANTENHA AS UNHAS BONITAS A SEMANA TODA

7 segredos revelados para o esmalte não descascar, perder o brilho e criar bolinhas que destroem o look!

Fala sério: é frustrante pintar a unha e ver o esmalte lascado pouco tempo depois, não é mesmo?  Embora seja comum a esmaltação quase nunca durar o tempo desejado, a boa notícia é que há, sim, como manter as unhas bonitas a semana toda. Quem ensina o segredo é a expert Rosemeire Oliveira, consultora pedagógica do Instituto Embelleze.  


7 segredos para manter a unha perfeita a semana toda

1- Lixe corretamente

Lixar parece uma tarefa fácil, mas se não for feita da maneira correta pode comprometer a duração da pintura. O ideal é deixar a superfície da unha bem lisinha, pois se ficar um pouco lascada o esmalte não consegue se fixar de forma homogênea.

Dica: após lixar todas as unhas no formato desejado, passe-as em um tecido. Se alguma enroscar é sinal de que precisa de mais uma lixadinha antes de pintar.

2- Faça uso da base

A base é um item indispensável quando o assunto é esmaltação. Além de ajudar a proteger a unha da pigmentação dos esmaltes escuros, especialmente dos tons vermelhos, ela contribui para a fixação ao criar uma camada mais aderente e duradoura.

Dica: utilize uma base que proporcione tratamentos específicos, como fortalecimento, nivelamento e brilho. Importante também esperar a base secar antes de passar o esmalte para que o efeito seja mais eficiente. Quando se passa o esmalte sobre uma camada molhada, dificilmente ele ficará com boa aparência.

3- Verifique a validade do esmalte

Nada dura para sempre e com o esmalte não é diferente. Quando a textura começa a engrossar e o cheiro a ficar muito forte, é sinal de que está na hora de descartá-lo. O produto vencido além de fazer mal à saúde, prejudica a fixação e a durabilidade.

Dica: caso o esmalte endureça, mas ainda esteja dentro da validade, acrescente um pouco de base ou ultrabrilho no vidrinho, isso ajuda a amolecê-lo.

validade do esmalte

4 - Tenha paciência

A paciência é um ponto chave para que sua unha fique perfeita. É preciso passar o esmalte em camadas uniformes, espalhando o esmalte por toda a superfície da unha, sem esquecer os cantinhos. Para que as bordas fiquem perfeitas, passe a ponta de um palito no contorno das unhas enquanto o esmalte ainda estiver molhado, em movimentos precisos.

Dica: prefira sempre camadas finas, seja para a base, seja para o esmalte, assim a secagem é mais rápida.

esmaltação

5 - Passe extra brilho

Logo após finalizar a esmaltação utilize o extrabrilho. Ele ajuda a manter o esmalte por mais tempo e proporciona um acabamento incrível.

Dica: escolha os extra brilhos que possuam na fórmula componentes que ajudam na secagem e evitam o aparecimento de bolinhas indesejadas.

6- Ponha luvas

Como as tarefas do dia a dia não acabam depois das unhas estarem feitas, o ideal é sempre usar uma luva ao lavar a louça e a roupa, ao limpar móveis... O contato com produtos de limpeza pode descascar o esmalte, além de favorecer a quebra da unha.

Dica: a luva de borracha é a melhor opção, pois as que são feitas de látex costumam esbranquiçar as unhas.

7- Não coloque os dedos na boca

Além de ser anti-higiênico, lascas do esmalte podem sair quando a unha raspa no dente, o que acaba com o visual antes da hora.

Dica: existem alguns produtos para a unha com gosto e cheiro forte. É uma ótima maneira de controlar quem não resiste colocar o dedo na boca.

 

Veja também uma outra maneira de manter sua unha bonita por mais tempo!

Se você ainda não conhece o curso Manicure e Pedicure Profissional do Instituto Embelleze, pode saber mais pelo site ou visitando a unidade mais próxima de você.

Tags

unhas, esmalte, curso profissionalizante

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

Como fazer a transição capilar sem sofrer
Celebridades, como a cantora Ludmilla e até a ex-primeira dama americana, Michelle Obama, estão arrasando com seus cachos naturais depois da transição capilar. O processo consiste em recuperar e assumir o formato ondulado ou crespo depois de ser lisa por um determinado período de químicas artificiais. Sair da progressiva, escova definitiva, relaxamento ou outros métodos não é nada fácil, a gente sabe, afinal demanda muita paciência e cuidados especiais durante um bom tempo. Mas quem já encarou a situação assina embaixo: vale a pena! E é justamente essa propagação positiva a responsável pela forte tendência na adesão de cada vez mais mulheres à transição capilar. Entre os motivos relevantes dessa mudança de comportamento estão o poder nocivo das substâncias que alisam e a libertação de ter um cabelo cacheado natural (e por consequência mais saudável!). Se você é cabeleireiro profissional, saiba que pode ajudar e muito sua cliente “artificialmente lisa” a resgatar os fios naturais. Precisa de uma orientação? Então siga o nosso guia completo que ensina a passar por todas as etapas da transição capilar sem sofrer.       A cantora Ludmilla e Michelle Obama antes e depois da transição capilar      FASE 1 – Abandonar a química A partir do momento que você decide não retocar mais o procedimento químico, é preciso segurar a ansiedade e começar a exercitar a paciência. Para uma transição capilar sem drama ou complicações, a melhor saída é focar no objetivo de recuperar os fios naturais e a saúde do cabelo. “Isso porque o processo pode ser demorado e diferente para cada tipo de cabelo, então é preciso saber esperar. E não tem como mensurar o período exato que é necessário, deve ser analisado caso a caso. É bom ter em mente que nenhum produto é milagroso, o melhor aliado nesse projeto é mesmo o tempo”, enfatiza Douglas Baptista, cabeleireiro e gestor Pedagógico do Instituto Embelleze Franchising. Outro ponto importante é que quanto maior a diferença de textura entre os fios naturais e os processados quimicamente, maior a necessidade de saber esperar. Mas além de resiliência, alguns métodos podem ajudar bastante como penteados que disfarçam, um bom corte (na hora certa!), produtos que nutrem e hidratam e cuidados essenciais no dia a dia. Tudo isso pode amenizar a angústia dessa fase de ansiedade. “Esse arsenal de alternativas, além de auxiliar na beleza e saúde do fio, auxilia na harmonização de texturas similares entre pontas e raiz e no crescimento do cabelo, fazendo com que o período da transição capilar passe mais rápido”, garante Douglas. FASE 2 – Esperar o cabelo crescer Além da paciência, a transição capilar ainda envolve a autoestima, tema delicado para as mulheres. No entanto, existem alguns cuidados especiais para resistir (e persistir) com tranquilidade neste período em que o cabelo fica sem forma e com um volume indesejado. Hora de se munir com alguns truques espertos para viver em paz com a raiz ondulada e o comprimento liso: Não vá contra a natureza. Pense sob o ponto de vista de aceitar o cabelo como ele é, e assumir sua identidade. “Isso significa, antes de qualquer coisa, uma desconstrução de padrões, o que é libertador tanto físico quanto socialmente”, destaca Douglas Baptista. Afinal, quem disse que cabelo bonito é necessariamente liso? Essa aceitação do natural só aumenta a autoestima e favorece bastante o processo de resgate dos cachos. Aproveite para brincar com a sua imagem. Use o período de transição capilar para abusar dos acessórios e adotar um visual diferente. Lance mão de lenços, turbantes e bandanas – os tecidos estão super em alta como adorno de cabeça. Então, se joga! Penteados são sempre um sucesso. Não faltam opções para deixar os cabelos presos com estilo: moicanos, tranças embutidas nas laterais ou partindo da região da frente da cabeça e, claro, o clássico rabo de cavalo são bem-vindos. E para quem gosta de sair do lugar-comum, os famosos apliques e as extensões capilares também podem ser muito úteis nesta fase da transição capilar. Não hesite em optar pela texturização. Isto é, uma técnica para disfarçar a diferença entre as duas texturas: a do cabelo cacheado que vai nascendo e a da parte alisada que vai perdendo o jeito de fio reto e pode ficar com uma ondulação estranha. O método da texturização é simples: consiste em cachear a parte alisada com bobes ou bigudinhos. A dica aqui é evitar ferramentas de calor, como o babyliss, por conta da fragilidade em que o fio se encontra. Invista no cosmético certo. Neste período da transição capilar, os fios estão mais porosos, sem vida e quebradiços, portanto é indispensável investir numa linha de xampu, condicionador e leave-in rica em proteínas e ativos emolientes e regeneradores, os mesmos indicados para cabelos secos e quimicamente danificados. Uma vez por semana é preciso fazer um protocolo com uma máscara bem hidratante para repor a água dos fios, que pode ser potencializada com o uso de uma ampola power, também de hidratação. Além disso, alguns detalhes ajudam e muito! Veja só: A ideia é não economizar nos cremes de pentear, leave-ins e máscaras de finalização, que ajudam a dar forma ao cabelo e, por consequência, mantê-lo domado. Fuja dos xampus anti-resíduos ou de limpeza profunda, porque são agressivos. A transição capilar fragiliza a fibra e é comum ela quebrar e cair com um pouco mais de facilidade. Formulações suaves, como nos produtos Low e No Poo, higienizam na medida certa. Elas contêm pouco ou nenhum sabão detergente, evitando, assim, que os tratamentos de hidratação sejam removidos, mantendo o fio hidratado e nutrido. Invista da linha DNA do Cacho, da Embelleze, para tratamentos em salão, além de cuidar da saúde do fio, mantém uma curvatura bonita e natural, mesmo na etapa difícil da transição capilar. FASE 3 – Cuidar intensamente da saúde dos fios O fio danificado por químicas alisantes perde sua proteção natural – as cutículas; e, com o tempo, fica desidratado, sem nutrientes e com pouca matéria. Sim, não sobra quase nada! O cronograma capilar é fundamental nesta fase. Os tratamentos do calendário, que alternam hidratação, nutrição e reconstrução são muito úteis, pois têm princípios ativos diferentes e se complementam fornecendo aos fios tudo o que eles precisam na etapa de fragilidade extrema. A hidratação, feita com máscaras concentradas, repõe a água. A nutrição recupera o lipídeo (aquela oleosidade natural da raiz que nutre o fio) e os ativos essenciais, e pode ser feita com óleos comerciais, de linha, ou os naturais como, por exemplo, o de coco, amêndoa ou oliva. A reconstrução é essencial para recuperar a queratina e formar de novo a cadeia de aminoácidos que reestrutura o fio danificado por químicas pesadas, como as dos métodos de alisamento. Geralmente, os produtos ideais para reconstruir o fio são à base de óleos e manteigas, como os de karité, argan, murumuru. FASE 4 – Livrar-se de vez da parte lisa do cabelo Quando chega a fase em que já é possível cortar uma boa parte dos fios alisados e começar a dar forma ao caimento dos fios naturais é sinal de que a angústia da transição capilar está chegando ao fim! No entanto, é preciso conhecimento para saber qual o momento certo de recorrer à tesoura. Dependendo do caimento do cabelo, quando a raiz crespa começa a crescer, o comprimento costuma ficar muito irregular, por isso é importante ouvir a opinião de um cabeleireiro. Em alguns casos o corte reto, o mais desejado pelas mulheres por significar “adeus à tortura”, pode deixar as pontas desiguais e não ter um caimento harmônico. Já o corte em camadas é quase sempre a melhor solução, pois ele traz simetria ao cabelo. Mas ainda assim é importante analisar caso a caso, pois essa teoria pode não se aplicar para algumas mulheres. Só mesmo um profissional especializado para indicar a hora e o estilo do corte correto. As mais corajosas costumam cortar o mal pela raiz, literalmente. Se jogam no corte radical, bem curtinho, conhecido como Big Chop – nesse caso, não há nenhuma contraindicação, é só querer.    A atriz Nathalie Emmanuel também decidiu assumir os lindos cachos
> Leia mais
Corpo à prova de depilação com cera
Manter pernas, axilas e virilhas lisinhas e livres de pelos é prioridade para muitas mulheres seja qual for a época do ano. Entre os métodos mais usados está a depilação com cera, que promove um resultado tudo-de-bom! No entanto, há muitas dúvidas em relação ao que se pode ou não passar na pele nas horas que antecedem e nos dias seguintes ao procedimento. Isso porque existe uma série de hábitos e substâncias que podem atrapalhar o efeito de pele lisinha pela depilação com cera e comprometer as condições de saúde da cútis. Vamos combinar que a pele não foi feita para suportar tantos puxões, somados à fórmula da cera (que por mais natural que seja pode conter ingredientes que provocam alergias) e à sua alta temperatura (outro fator irritante em potencial). Resumindo, é um ritual que exige cuidados especiais, mas, de novo, o resultado vale super a pena. Pensando nisso, a seguir, explicamos os riscos que a região depilada sofre com a remoção dos pelos, sugerimos dicas e preparos para evitar lesões na hora da depilação com cera e ensinamos como manter a pele mais lisa, macia e resistente ao baque. Vamos lá! Como a depilação com cera (quente e fria) prejudica a pele De acordo com Rafaela Mattos, instrutora do Curso de Depilação do Instituto Embelleze, unidade Presidente Prudente (SP), a depilação com cera é de fato um teste de resistência, mas que não tem como fugir. “A tração feita contra a pele, associada à alta temperatura, remove a camada superficial protetora da cútis, causando uma pequena agressão e provocando um processo inflamatório que deixa a superfície com uma forte vermelhidão e inchaço”, justifica a professora. Ela conta ainda que, como meio de autodefesa, os melanócitos (reservatórios de melanina) aumentam a produção de melanina (pigmento natural responsável pela coloração da pele), levando à formação de manchas com tom castanho que pioram bastante quando a região depilada é exposta ao sol. No meio do turbilhão, uma notícia boa: Rafaela Mattos garante que os temíveis "puxões" não causam flacidez à pele. “Eles são superficiais e não chegam a atingir a camada das fibras de sustentação, como o colágeno, por exemplo.” Mas a expert chama a atenção para outro ponto importante: a negligência dos salões que usam material coletivo. “Essa postura do estabelecimento aumenta muito os riscos de complicações para os clientes, como proliferações de bactérias presentes na pele e a chance de ocasionar doenças graves, como o HPV”. Problemão 2! Por isso, não custa ficar atenta a esses detalhes. Dupla perfeita para proteger a pele da depilação com cera   Estamos falando da hidratação e da esfoliação, dois tratamentos que podem ser feitos em casa ou no salão para blindar a pele contra irritações e foliculites e ainda manter a cútis saudável e com um brilho natural. A importância de hidratar Ok, nós sabemos que hidratar a pele todos os dias é essencial para mantê-la saudável e com o pH equilibrado. Não é pra menos, os ativos utilizados nos cremes hidratantes têm efeitos mega eficazes para deixar a cútis nutrida, firme, bonita e blindada – fatores de grande importância para aumentar a resistência da pele durante a depilação. Portanto, aquela história de que os cremes não devem ser usados por favorecer o entupimento dos poros é balela. Eles podem e devem ser aplicados, antes e depois da sessão. Entretanto, há duas ressalvas quanto à hidratação. A primeira é aplicar o hidratante no mínimo 12 horas antes de fazer a depilação com cera – nesse período, evite usar cremes ou óleos densos, já que eles podem provocar reações na região durante a sessão na cabine e comprometer a aderência da cera na pele, dificultando a remoção completa dos pelos. A segunda restrição é em relação à hidratação pós-procedimento, o ideal é aplicar cremes com ativos que acalmam a pele, aqueles com camomila, aloe vera, ureia, algas marinhas etc., e jamais as versões que contêm álcool, por aumentarem bastante as chances de irritações, alergias e manchas na pele pós-inflamatórias.   Uma dica ótima é usar e abusar dos cremes com azuleno de camomila, especialmente no final da sessão de depilação com cera e nos dias seguintes. Os cosméticos com esse ativo podem ser aplicados sem contraindicação na sequência do gel calmante (usado para finalizar o procedimento), que geralmente contém alantoína (por sua ação cicatrizante) – os dois juntos são o par perfeito para potencializar a hidratação. Inclusive, os cremes com azuleno podem ser usados depois, em casa, regularmente, pois o ativo aumenta a capacidade da pele de se regenerar e voltar ao estado normal, o que implica num terceiro benefício: que os pelos “atravessem” uma pele saudável e macia durante o crescimento, diminuindo os riscos de pelos encravados. Esfoliação, sim! Uma coisa é certa: a depilação com cera tende a deixar os pelos mais finos. Assim, para nascer/despontar, eles não têm a força necessária para romper a camada da pele, quadro que piora com a obstrução dos poros por células mortas. Resultado: pelos encravados! Para evitar esse ciclo de fragilidade, a esfoliação é imbatível e (mega) necessária. “Geralmente o cuidado de esfoliar é indicado mais vezes nos meses quentes, quando a pele está mais seca e irritada, para remover células mortas e agilizar o processo de renovação celular, que favorece uma cútis macia e com um brilho espontâneo”, sugere a instrutora do Instituto Embelleze. “Se a pele é normal ou levemente seca, a tendência é que fique sensível e avermelhada, nesses casos recomendo a esfoliação uma vez na semana. E se a pele é oleosa, geralmente se apresenta áspera e opaca, sugiro a esfoliação duas vezes por semana. O importante é não ultrapassar esse limite de repetições, que é o suficiente para não causar efeito rebote (produção demasiada de sebo na pele, como autodefesa)”, ressalta a especialista. Rafaela explica ainda que durante a noite a pele sofre um processo natural de reparação e recuperação, tornando a renovação celular mais intensa. “Portanto, esfoliar a pele de manhã é o ideal, pois as células mortas estarão acumuladas, prontas para serem removidas. Após a depilação é recomendado deixar a pele descansar por algum tempo, pois ela estará sensível, se recuperando de um processo inflamatório. O intervalo ideal é de três dias antes e três dias após a depilação com cera”, finaliza. Óleo corporal: pode? Muitas mulheres preferem substituir o hidratante por um óleo corporal aplicado ainda no banho, com a pele úmida. Sem dúvida, uma opção prática para quem tem preguiça de passar creme depois da ducha. Mas atenção: “Tenha cuidado com o excesso, porque o óleo tem ação altamente hidratante, com grande penetração, formando um filme protetor na pele. Esse efeito pode obstruir os poros, aumentar a oleosidade, causar retenção de líquido e impedir a eliminação de toxinas”, justifica Rafaela Mattos. Além disso, como já foi dito, excesso de oleosidade também tem suas consequências, entre elas a de dificultar a aderência da cera ao corpo comprometendo a qualidade da depilação com cera. E máscara para o corpo? Para quem tem sede de hidratação, Rafaela recomenda uma máscara corporal, facilmente encontrada em perfumarias e drogarias. Ela explica que esse produto é fundamental para os tratamentos estéticos, podendo ter ação hidratante, desintoxicante e tonificante. “Suas fórmulas contêm ativos derivados de plantas, minerais e óleos essenciais, além de sais e cristais, com benefícios que vão desde a hidratação e nutrição até a desintoxicação do organismo, atuando na melhora da retenção de líquido e da textura da pele. A máscara pode ser usada todos os dias, já que, com o passar dos anos, a pele vai perdendo a hidratação e nutrição natural”, destaca a instrutora.     5 dicas para manter a pele blindada contra as agressões da depilação com cera Quando o assunto é depilação, os cuidados com a cútis vão muito além daquele momento em que ficamos na cabine. Veja só...   1 Tomar um banho imediatamente antes de se depilar é um bálsamo. O contato com a água morna e com o vapor do banheiro ajuda a relaxar os folículos pilosos (poro por onde nasce o pelo) e, por consequência, auxilia na extração dos fios e torna o procedimento mais confortável, menos dolorido e mais eficaz. 2 Axilas e virilhas são regiões extremamente delicadas, mas apesar disso é indicado fazer uma esfoliação com movimentos circulares bem suaves e leve pressão. Essas áreas também devem ser hidratadas, vale dizer, já que são quase sempre negligenciadas nessa etapa dos cuidados. 3 Jamais faça depilação com cera se estiver com qualquer lesão, ainda que seja um mínimo corte ou machucado. Para enfrentar os puxões, a pele deve estar íntegra e sem feridas, caso contrário além de aumentar a gravidade da lesão, os riscos de infecções aumentam, pois funciona como “uma porta aberta”. 4 Não se esqueça de aplicar filtro solar nas regiões expostas que ficam muito vermelhas ou irritadas após o procedimento. Assim se evita que o processo inflamatório (caso seja esse o problema) provoque uma mancha. 5 As roupas muito justas, ásperas e grossas, como o jeans, tendem a causar atrito e, assim, comprometem o crescimento natural dos pelos por conta da obstrução dos poros, dificultando a saída do fio. Os tecidos sintéticos das peças íntimas, muitas vezes inofensivos, também podem favorecer pelos encravados. O ideal é priorizar roupas e lingeries com tecidos naturais, como o algodão.  
> Leia mais
Copyright © 2021 · Todos Direitos Reservados