Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Unhas

Fotos: Shuttersctock

Vantagens da cutilagem russa para clientes e manicures

A cutilagem russa traz um diferencial para o serviço de manicure e benefícios para os clientes: sem riscos de corte, é ideal para diabéticos e a manutenção é quinzenal. Saiba tudo sobre o método

As mulheres russas são conhecidas no mundo inteiro por dois motivos: a beleza física e as unhas saudáveis. Tanto que grandes marcas de cosméticos de tratamento de unhas e cutículas são, originalmente, vindos da Rússia. E sabe qual é um dos segredos das russas nesse quesito? O modo de retirar a cutícula! Em vez de usar alicate, como nós, elas usam tesourinha. Neste post, vamos falar sobre essa técnica que, aliás, está bombando nos últimos meses por aqui e ainda pouca gente conhece. É a cutilagem russa ou manicure russa.

No procedimento, o bom e velho alicate de cutícula é substituído por uma tesourinha própria para a região e uma lixa elétrica cilíndrica, que lembra uma broca. “Em vez de simplesmente empurrar ou mesmo cortar a cutícula com o alicate — o que normalmente favorece exageros por ser uma ferramenta muito cortante, estimula o crescimento contínuo da película e pode levar à retirada acidental de ‘bifes’ —, na cutilagem russa o profissional elimina delicadamente e com cautela o contorno da unha com a tesoura e a lixa”, explica Vanessa Castro, instrutora do curso de manicure do Instituto Embelleze unidade Santo Amaro, São Paulo (SP). Some a esses benefícios o fato de não ter mais aquelas “peles levantadinhas” crescendo em volta da unha, já que a cutícula não será removida, apenas aparada.

A cliente fica feliz...  

A manicure russa pode ser feita nas unhas das mãos e dos pés, e praticamente não há contraindicação. “Mas pode-se dizer que nos casos de cutículas muito finas e de diabéticos, a técnica é altamente indicada, por permitir ao profissional mais controle e delicadeza”, destaca Vanessa Castro. A técnica parece mesmo ser tudo de bom: além de reduzir a praticamente zero o risco de cortes, a manutenção é quinzenal, diferentemente do procedimento feito com alicate, que geralmente requer idas semanais ao salão. Isso, porque, como só é retirado o excesso de pele com a tesourinha, sem arrancar a cutícula, não há um crescimento acelerado e regular, dessa pele. Resultado: com o tempo, a cutícula que vai cobrindo a unha deixa de ser um fator antiestético. No final das contas, o procedimento quinzenal não chega a representar uma contenção de custo, já que o valor da cutilagem russa é dobro da manicure tradicional — o que fica elas por elas. Por outro lado, tem o ganho de tempo, já que as visitas ao salão são quinzenais.

Se durante a quinzena a cliente reclamar do desbotamento do esmalte (já que vai levar mais tempo para ela voltar para o salão), sugira que ela aplique um top coat antes de terminar a quinzena, para dar um up na cor e no brilho das unhas. Ah, e repita para ela a velha e boa dica (superútil) de usar luvas durante os afazeres domésticos para preservar ainda mais o esmalte.

Uma dica: ressalte os benefícios da cutilagem russa listados aí acima para as suas clientes apostarem na novidade! Ok, a gente sabe que não é nada fácil mudar a tradição do alicate, tão forte para as brasileiras. Mas o protocolo russo tem todo potencial para fazer a cabeça das mulheres e cair no encanto. Num primeiro momento, é comum que algumas clientes nem queiram conhecer a cutilagem russa por “ter ouvido falar” que se trata de um procedimento caro. Então, é aqui que entra a habilidade do profissional de explicar tudo direitinho, com detalhes.  

O profissional em manicure sai ganhando...

Investir na cutilagem russa é um diferencial para a carreira de manicure. Isso mesmo. É preciso acompanhar as novidades e tendências para ser visto de forma diferente e até se tornar uma referência no domínio de técnicas moderninhas entre as clientes. A cutilagem russa é uma excelente oportunidade para dar um up no seu menu de serviços. Apesar de ser um procedimento que já existe, a febre é agora! Conclusão: vai ganhar quem oferecer o serviço do momento. Sem contar que o espaço de beleza que sai na frente com novidades desse tipo ocupa outro patamar no mercado, muito acima de quem continua oferecendo o básico. Há mais chances de fidelizar clientes com serviços exclusivos ou diferenciados. E, claro, o profissional também se torna especial, tendo uma formação acima da média, especialmente nesse caso que envolve saúde por se tratar de cuidado com as cutículas. O profissional inspira confiança, credibilidade.

Cutilagem russa passo a passo  

Entenda, a seguir, como é feita cada etapa da técnica que é sucesso e, depois, é só se lançar para experimentar!

1

O esmalte (ou resíduos) é retirado com removedor sem acetona. Depois, as unhas são molhadas suavemente com água. Após enxugadas, recebem um hidratante. Quanto mais grossa e grande a cutícula, mais tempo é necessário para o produto agir e amolecer a estrutura. Já as cutículas mais finas nem precisam tanto desse recurso do creme, é opcional.

2

Em vez de utilizar a espátula para empurrar a cutícula, na cutilagem é usada a broca, que nada mais é do que uma lixa cilíndrica elétrica. Esse é o grande lance da manicure russa. A função dessa ferramenta é levantar a película, facilitando a etapa seguinte (corte com a tesourinha), e polir a unha, removendo as peles que ficam aderidas à superfície.

3

Com a cutícula suspensa e descolada fica muito mais fácil removê-la com a tesourinha, que tem uma curvatura na ponta que acompanha a anatomia dessa estrutura de pele. Lembrando que, no caso de cutículas muito finas ou discretas, nem é necessário remoção com a tesourinha, basta o polimento com a broca.

4

A partir daqui a esmaltação é feita normalmente, conforme o método de cada profissional.  

 

Gostou? Deixe o seu comentário e compartilhe o post com a sua rede de amigos!

 

Tags

cutilagem russa, manicure, unhas, saúde das unhas, alicate, cuidado com as unhas, curso de manicure, Instituto Embelleze

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

MAKE PARA PELE NEGRA
No Brasil, por causa da miscigenação, o tipo afro traz na pele muitas nuances de cor. Normalmente, exibe tons mais claros no centro do rosto e mais escuros na testa e em volta da linha facial. Assim, para equilibrar as tonalidades, é necessário compor uma mistura de bases, trabalhando com critérios de claro-escuro.O mais importante ao maquiar uma pele negra, é ter cuidado com a tonalidade escolhida, para que não deixe a noiva com a pele acinzentada”, explica a professora de maquiagem Evelyn Maia, do Instituto Embelleze de Angra dos Reis. Confira o passo a passo desta maquiagem para pele negra 1 - Corrija a pele, se necessário, com um corretivo amarelo. 2- Iguale o tom de todo o rosto com uma base dois a três tons acima da pele. Aplique-a nos pontos de iluminação (centro da face) e também no contorno, bem de leve. 3- Para fixar e potencializar a tonalidade da sombra, use um corretivo bem claro na pálpebra e corrija a sobrancelha com um tom de sombra marrom acinzentado.   4 - Passe sombra marrom no côncavo e, na pálpebra móvel, use duas tonalidades de sombra: dourado (na parte interna) e cobre (na parte externa).   5 - Dê acabamento aplicando um delineador rente aos cílios. O delineador em gel é muito mais prático.   6 - O ponto de luz no cantinho interno da pálpebra ajuda a iluminar o olhar. Aplique uma sombra cintilante ou um pouco de glitter furta-cor.   7 -Use um blush na tonalidade terracota e um batom nude.   Confira aqui o resultado!              Agradecimentos: Instituto Embelleze de Angra dos Reis. Professora do curso de Maquiagem: Evelyn Maia; Modelo: Yana Assis.   Venha se tornar um expert em maquiagem fazendo nosso curso de Maquiagem Profissional! Visite-nos numa unidade mais próxima de você.
> Leia mais
Recupere o cabelo dos danos do verão em 30 dias!
O fio de cabelo é composto por cutículas, que são formadas por placas de queratina (um tipo de proteína) sobrepostas como escamas de peixe. Com movimento próprio, elas abrem e fecham. Se você não protegeu o cabelo devidamente sob o sol, deixou a porta aberta para que os raios ultravioleta, mais os resíduos de sal, cloro e areia se acumulassem no interior da haste, permitindo que essas placas se desestruturassem. O resultado você vê agora, no espelho... fios fracos e quebradiços, opacos, arrepiados, ressecados, manchados, com pontas duplas e toque áspero. Credo! Mas também não é para se desesperar ou perder a cabeça, porque, segundo os especialistas, é possível sim recuperar a vida e a maciez das madeixas rapidamente, em mais ou menos um mês. Identifique o problema do seu cabelo ou dos fios da sua cliente e vá à luta! O loiro ganhou reflexos esverdeados e o castanho está avermelhado? O cloro e o sulfato de sódio da água da piscina reagem com o tom amarelo dos fios, tornando-os verdes. Nos castanhos, o resultado são nuances avermelhadas ou pontas mais claras. A primeira providência é fazer uma limpeza profunda com um xampu antirredíduos para eliminar resquícios dos agentes químicos. Depois, aplique um tonalizante sem amônia para uniformizar a cor e um bom hidratante ou máscara reconstrutora. Isso vai disfarçar o problema por algumas semanas, mas depois é necessário recorrer à ajuda de um profissional para corrigir o tom definitivamente. “No dia a dia, procure usar xampu e condicionador com proteínas do trigo, que auxiliam na manutenção da cor”, indica Dione Antunes, coordenadora técnica da Embelleze Salon. A cor desbotou? Os raios solares penetram na fibra capilar e degradam o pimento que lhe dá cor, não importa se o cabelo é natural ou tingido. Algumas vezes o reflexo provocado pelo sol é até bem-vindo — nas loiras naturais sobressaem as mechas douradas. Mas há casos em que os efeitos acabam sendo contrários. As mechas vermelhas, por exemplo, podem ficar alaranjadas e as castanhas e as loiras tingidas tornam-se sem vida. Daí é hora de garantir a saúde dos fios novamente com alguns cuidados especiais. Anote: primeiro reavive a cor com um xampu tonalizante (num tom próximo ao do seu fio), que também restaura o brilho e reforça os reflexos. Depois, para não correr o risco de ficar desbotado outra vez, proteja o cabelo com leave-in formulado com filtro solar. O problema são fios super-ressecados? Todos os agentes típicos do verão roubam a umidade natural do cabelo. É o caso do sol, do mar da piscina, do vento e até do atrito do fio com a areia. A aparência é de mechas opacas e ressecadas. Com o calor a gente tende a lavar mais o cabelo e isso também retira a oleosidade natural. Resultado: o couro cabeludo tem dificuldade de produzir a gordura que o cabelo precisa e pode, inclusive, provocar descamação. “O uso de xampu com ingredientes hidratantes, como o óleo de Argan ou o de coco e a lanolina, ajuda a reverter o quadro”, diz Dione. Para acelerar o processo de recuperação, a expert recomenda substituir o condicionador após a lavagem por uma máscara de hidratação composta por ácido hialurônico, um excelente repositor de umidade e formador de película protetora, ou óleos vegetais de abacate, coco ou oliva. “Uma possibilidade é aplicar o condicionador após a máscara para conferir ainda mais emoliência aos fios”, garante Dione. Uma a duas vezes por semana, aposte numa máscara reconstrutora. Só para você entender a importância, os hidratantes reagrupam as cutículas e aumentam o brilho e a maciez, quanto os reconstrutores repõem as proteínas (queratina e aminoácidos) perdidos.   O fio liso insiste em ficar fora do lugar? Uma das causas do liso ficar arrepiado e rebelde durante o verão é a umidade do ar. Ela aumenta a eletricidade, além disso, o sal da água do mar e o cloro da piscina retiram a oleosidade natural, deixando os fios desidratados e mais ásperos. A saída é fazer hidratação uma vez por semana e, no dia a dia, usar produtos que diminuem a eletricidade estática. Xampu e condicionador à base de ceramidas ou queratina são capazes de nutrir o cabelo e dar um bom efeito. Outro cuidado é investir, diariamente, em um leave-in e usar máscara de hidratação profunda semanalmente. O crespo está arrepiado? O formato espiralado do fio cacheado dificulta a chegada da oleosidade natural — que sai do couro cabeludo — até as pontas. Por isso, de forma geral, os crespos são mais ressecados. Os agentes externos, como a escovação, a umidade do ar mais intensa, o sol, o cloro da piscina, a água do mar e o atrito do cabelo com o vento vão piorando ainda mais a situação, pois torna o fio poroso e, consequentemente, volumoso. Lavar os fios com xampu formulado com queratina, pantenol ou aloe vera é fundamental para ajudar na hidratação. Use também leave-in e reparador de pontas para dar um pouco mais de peso ao cabelo e evitar o frizz. Acabou o brilho? O fio só vai conseguir refletir a luz se a superfície estiver uniforme, retinha, com as cutículas (escamas que protegem a fibra capilar) fechadas. Mais: também não pode ter proteína faltando. Para que isso aconteça, você tem que fazer hidratação semanalmente. “Um tratamento selante, que alinhe as cutículas, também é indicado. Pode ser feita uma cauterização ou carga de queratina”, diz Dione. Quando quiser resultados imediatos, lance mão dos sprays e séruns de brilho — eles têm efeito temporário (lavou, saiu), mas são perfeitos para dar uma iluminada no visual e garantir a impressão de cabelo bem cuidado. Estão aparecendo pontas duplas? Nesse caso, infelizmente, não há conserto. A única solução é passar a tesoura! Mas dá para disfarçar o problema enquanto você não corta: “cole” as pontinhas bifurcadas (úmidas ou secas) aplicando cosmético à base de silicone na formulação — de quebra, eles aumentam o brilho e a maciez.   Cabelos na UTI Quando os fios estão ultradetonados a melhor coisa a fazer é um tratamento de choque no salão para regenerá-los. Ele hidrata, nutri e reconstrói a fibra capilar de forma eficiente e duradoura. São usadas máscaras de hidratação profunda com ingredientes nobres e em alta concentração. Os efeitos já são sentidos logo após a primeira aplicação! Conheça as etapas pelas quais os seus fios devem passar para se regenerarem integralmente:
> Leia mais
Copyright © 2019 · Todos Direitos Reservados