Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Cabelo

Foto: Reprodução/ Divulgação

Como fazer a transição capilar sem sofrer

Nosso guia completo ensina a passar por todas as fases da transição capilar com um visual lindo e saudável. Você ganha os cachos (e a autoestima) de volta sem nem perceber!

Celebridades, como a cantora Ludmilla e até a ex-primeira dama americana, Michelle Obama, estão arrasando com seus cachos naturais depois da transição capilar. O processo consiste em recuperar e assumir o formato ondulado ou crespo depois de ser lisa por um determinado período de químicas artificiais. Sair da progressiva, escova definitiva, relaxamento ou outros métodos não é nada fácil, a gente sabe, afinal demanda muita paciência e cuidados especiais durante um bom tempo. Mas quem já encarou a situação assina embaixo: vale a pena! E é justamente essa propagação positiva a responsável pela forte tendência na adesão de cada vez mais mulheres à transição capilar. Entre os motivos relevantes dessa mudança de comportamento estão o poder nocivo das substâncias que alisam e a libertação de ter um cabelo cacheado natural (e por consequência mais saudável!).

Se você é cabeleireiro profissional, saiba que pode ajudar e muito sua cliente “artificialmente lisa” a resgatar os fios naturais. Precisa de uma orientação? Então siga o nosso guia completo que ensina a passar por todas as etapas da transição capilar sem sofrer.

  cantora ludmilla transição capilar   cantora ludmilla transição capilar

A cantora Ludmilla e Michelle Obama antes e depois da transição capilar

 michelle obama transição capilar   michelle obama transição capilar

FASE 1 – Abandonar a química

A partir do momento que você decide não retocar mais o procedimento químico, é preciso segurar a ansiedade e começar a exercitar a paciência. Para uma transição capilar sem drama ou complicações, a melhor saída é focar no objetivo de recuperar os fios naturais e a saúde do cabelo. “Isso porque o processo pode ser demorado e diferente para cada tipo de cabelo, então é preciso saber esperar. E não tem como mensurar o período exato que é necessário, deve ser analisado caso a caso. É bom ter em mente que nenhum produto é milagroso, o melhor aliado nesse projeto é mesmo o tempo”, enfatiza Douglas Baptista, cabeleireiro e gestor Pedagógico do Instituto Embelleze Franchising.

Outro ponto importante é que quanto maior a diferença de textura entre os fios naturais e os processados quimicamente, maior a necessidade de saber esperar. Mas além de resiliência, alguns métodos podem ajudar bastante como penteados que disfarçam, um bom corte (na hora certa!), produtos que nutrem e hidratam e cuidados essenciais no dia a dia. Tudo isso pode amenizar a angústia dessa fase de ansiedade. “Esse arsenal de alternativas, além de auxiliar na beleza e saúde do fio, auxilia na harmonização de texturas similares entre pontas e raiz e no crescimento do cabelo, fazendo com que o período da transição capilar passe mais rápido”, garante Douglas.

FASE 2 – Esperar o cabelo crescer

Além da paciência, a transição capilar ainda envolve a autoestima, tema delicado para as mulheres. No entanto, existem alguns cuidados especiais para resistir (e persistir) com tranquilidade neste período em que o cabelo fica sem forma e com um volume indesejado. Hora de se munir com alguns truques espertos para viver em paz com a raiz ondulada e o comprimento liso:

Não vá contra a natureza. Pense sob o ponto de vista de aceitar o cabelo como ele é, e assumir sua identidade. “Isso significa, antes de qualquer coisa, uma desconstrução de padrões, o que é libertador tanto físico quanto socialmente”, destaca Douglas Baptista. Afinal, quem disse que cabelo bonito é necessariamente liso? Essa aceitação do natural só aumenta a autoestima e favorece bastante o processo de resgate dos cachos.

Aproveite para brincar com a sua imagem. Use o período de transição capilar para abusar dos acessórios e adotar um visual diferente. Lance mão de lenços, turbantes e bandanas – os tecidos estão super em alta como adorno de cabeça. Então, se joga!

Penteados são sempre um sucesso. Não faltam opções para deixar os cabelos presos com estilo: moicanos, tranças embutidas nas laterais ou partindo da região da frente da cabeça e, claro, o clássico rabo de cavalo são bem-vindos. E para quem gosta de sair do lugar-comum, os famosos apliques e as extensões capilares também podem ser muito úteis nesta fase da transição capilar.

Não hesite em optar pela texturização. Isto é, uma técnica para disfarçar a diferença entre as duas texturas: a do cabelo cacheado que vai nascendo e a da parte alisada que vai perdendo o jeito de fio reto e pode ficar com uma ondulação estranha. O método da texturização é simples: consiste em cachear a parte alisada com bobes ou bigudinhos. A dica aqui é evitar ferramentas de calor, como o babyliss, por conta da fragilidade em que o fio se encontra.

Invista no cosmético certo. Neste período da transição capilar, os fios estão mais porosos, sem vida e quebradiços, portanto é indispensável investir numa linha de xampu, condicionador e leave-in rica em proteínas e ativos emolientes e regeneradores, os mesmos indicados para cabelos secos e quimicamente danificados. Uma vez por semana é preciso fazer um protocolo com uma máscara bem hidratante para repor a água dos fios, que pode ser potencializada com o uso de uma ampola power, também de hidratação. Além disso, alguns detalhes ajudam e muito! Veja só:

  • A ideia é não economizar nos cremes de pentear, leave-ins e máscaras de finalização, que ajudam a dar forma ao cabelo e, por consequência, mantê-lo domado.
  • Fuja dos xampus anti-resíduos ou de limpeza profunda, porque são agressivos. A transição capilar fragiliza a fibra e é comum ela quebrar e cair com um pouco mais de facilidade.
  • Formulações suaves, como nos produtos Low e No Poo, higienizam na medida certa. Elas contêm pouco ou nenhum sabão detergente, evitando, assim, que os tratamentos de hidratação sejam removidos, mantendo o fio hidratado e nutrido.
  • Invista da linha DNA do Cacho, da Embelleze, para tratamentos em salão, além de cuidar da saúde do fio, mantém uma curvatura bonita e natural, mesmo na etapa difícil da transição capilar.

FASE 3 – Cuidar intensamente da saúde dos fios

O fio danificado por químicas alisantes perde sua proteção natural – as cutículas; e, com o tempo, fica desidratado, sem nutrientes e com pouca matéria. Sim, não sobra quase nada! O cronograma capilar é fundamental nesta fase. Os tratamentos do calendário, que alternam hidratação, nutrição e reconstrução são muito úteis, pois têm princípios ativos diferentes e se complementam fornecendo aos fios tudo o que eles precisam na etapa de fragilidade extrema.

  • A hidratação, feita com máscaras concentradas, repõe a água.
  • A nutrição recupera o lipídeo (aquela oleosidade natural da raiz que nutre o fio) e os ativos essenciais, e pode ser feita com óleos comerciais, de linha, ou os naturais como, por exemplo, o de coco, amêndoa ou oliva.
  • A reconstrução é essencial para recuperar a queratina e formar de novo a cadeia de aminoácidos que reestrutura o fio danificado por químicas pesadas, como as dos métodos de alisamento. Geralmente, os produtos ideais para reconstruir o fio são à base de óleos e manteigas, como os de karité, argan, murumuru.

FASE 4 – Livrar-se de vez da parte lisa do cabelo

Quando chega a fase em que já é possível cortar uma boa parte dos fios alisados e começar a dar forma ao caimento dos fios naturais é sinal de que a angústia da transição capilar está chegando ao fim! No entanto, é preciso conhecimento para saber qual o momento certo de recorrer à tesoura. Dependendo do caimento do cabelo, quando a raiz crespa começa a crescer, o comprimento costuma ficar muito irregular, por isso é importante ouvir a opinião de um cabeleireiro. Em alguns casos o corte reto, o mais desejado pelas mulheres por significar “adeus à tortura”, pode deixar as pontas desiguais e não ter um caimento harmônico. Já o corte em camadas é quase sempre a melhor solução, pois ele traz simetria ao cabelo. Mas ainda assim é importante analisar caso a caso, pois essa teoria pode não se aplicar para algumas mulheres. Só mesmo um profissional especializado para indicar a hora e o estilo do corte correto. As mais corajosas costumam cortar o mal pela raiz, literalmente. Se jogam no corte radical, bem curtinho, conhecido como Big Chop – nesse caso, não há nenhuma contraindicação, é só querer.

 nathalie emmanuel transição capilar nathalie emmanuel transição capilar

A atriz Nathalie Emmanuel também decidiu assumir os lindos cachos

Tags

transição capilar, cabelo cacheado, cachos naturais, selagem térmica, reconstrução capilar, frizz, cabelo crespo, cachos de volta, escova modeladora, cabeleireiro

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

COMO VOLTAR A TER CACHOS DEPOIS DO ALISAMENTO OU DA PROGRESSIVA
Sabe quando a gente toma uma decisão e depois muda de ideia? Super normal! Mas nem tudo na vida dá pra voltar atrás. Mesmo assim, não há motivos pra deixar de inovar ou apostar na mudança, pois é dela que saem muitas maravilhas. No entanto, ninguém é obrigado a conviver com a saudade, não é mesmo? Se dá pra retornar no tempo, a gente volta e pronto! Confira dicas sobre a técnica de reversão de cachos para dar aquela renovada no visual e resgatar os lindos fios cacheados das suas clientes. A incrível técnica da Reversão de Cachos Salon Embelleze Antes de iniciar a aplicação do tratamento da linha da Salon Embelleze é preciso seguir alguns protocolos para garantir a eficácia do resultado e evitar danos ao cabelo da cliente. São eles: Couro Cabeludo: verifique se o couro cabeludo está saudável para evitar que sofra irritação com a aplicação dos produtos. Textura dos fios: faça a identificação da textura, avaliando se são finos, médios ou grossos. Assim, saberá o tipo de produto ideal a ser aplicado e o tempo de ação em cada tipo de fio. Elasticidade: se os fios estiverem saudáveis, eles podem ser estirados e contraídos sem risco de se romperem. Porosidade: essa análise irá impactar na intensidade e no tempo de aplicação do produto. Cabelos muito porosos absorvem líquidos e produtos rapidamente. Por isso, as partes porosas devem ser tratadas por último. Densidade: avaliar o aspecto do cabelo ajuda a descobrir a quantidade de produto que será utilizado, evitando desperdício e também a largura das mechas que serão enroladas, além da definição do tamanho do bigoudi que será usado. Como aplicar a Reversão de Cachos Feita a análise, é hora do teste das mechas para descobrir o que a cliente deseja. Por exemplo, se não quer cachos com volume, o bigoudi não deve ser enrolado próximo à raiz. Antes de enrolar, não esqueça de colocar o papel de ponta no início da mecha e aplicar o produto em seguida. Depois, é só aguardar a reação (de 10 a 35 minutos), verificando a integridade dos fios a cada 10 minutos. Na aplicação, os fios precisam estar bem limpos e livre de excesso de água. É recomendada a divisão das mechas em diagonal para dar um efeito natural no caimento dos cachos. A Loção Onduladora Salon Embelleze deve ser aplicada em cada mecha, de baixo para cima. Em seguida, marque o tempo de ação identificado no teste de mecha e remova o produto sem retirar os bigoudis. Depois de eliminar o excesso de água, aplique o Reconstrutor Salon Embelleze ou queratina líquida em todas as mechas, aguardando por 10 minutos. Na sequência, o mesmo processo é feito com um neutralizante da linha, com tempo de ação de 20 minutos. Aí sim é hora de retirar os bigoudis, enxaguar bem e aplicar novamente o neutralizante antes da lavagem final. Para garantir a hidratação dos cachos, finalize com uma máscara de Oleoterapia Salon Embelleze e aquecimento técnico, se preferir. O efeito final são cachos bem definidos e nutridos! Essa e outras técnicas são abordadas no Curso Especialista em Cachos que está bombando de alunos que querem dar uma renovada não somente no visual das clientes, mas também na carreira. Se você tem o mesmo desejo, procure a unidade do Instituto Embelleze mais próxima para saber mais.
> Leia mais
QUER CACHEAR SEU CABELO LISO?
Não estamos falando de babyliss, mas sim de escova modelada com bucles, que garante cachos soltinhos com ar natural no cabelo liso a ondulado. Confira o passo a passo: Aplique um leave-in com proteção térmica no cabelo lavado. Em seguida, divida o cabelo. A parte frontal é dividida em três. A parte posterior é sempre direcionada na diagonal para trás. O topo do cabelo é separado, para dar volume e valorizar as ondas. Cada mecha deve ter no máximo dois dedos de largura na vertical e quatro dedos na diagonal. A mecha ficará no formato de um retângulo, só que em vez de ser na horizontal será na diagonal.                       Escove o cabelo com a escova em diagonal, deslizando-a da raíz às pontas, sem deixar a mecha se soltar das cerdas. Sempre que terminar de secar cada mecha, enrole-a com os dedos indicadores e prenda o rolinho com grampos. Esse rolinho é chamado bucle. Depois que terminar de escovar e enrolar todo o cabelo, espere os fios esfriarem  — de 5 a 10 minutos.                 Desmanche os bucles da nuca em direção à frente, ajeite o cabelo com as mãos e alinhe os fios do topo com pomada ou um reparador de pontas.                           Aprenda mais técnicas de penteado, além de corte, coloração, tratamentos capilares, alisamento, relaxamento e encacheamento no curso de Cabeleireiro Profissional do Instituto Embelleze. O curso ainda ensina conceitos sobre tricologia, biossegurança e visagismo.
> Leia mais
Copyright © 2019 · Todos Direitos Reservados