Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Barbearia

Fotos: Shutterstock

Como tratar a caspa

Os indesejáveis floquinhos brancos acometem mais a ala masculina do que a feminina e, no inverno, piora um pouquinho. Mas, calma, com alguns tratamentos e mudanças de hábitos é possível minimizar o problema e aprender como tratar a caspa

Barba, cabelo, bigode e sobrancelha. É muita tentação para os floquinhos brancos... Brincadeira à parte, o que torna mesmo os homens mais suscetíveis à caspa não é a quantidade de pelos. Na verdade, as causas são desconhecidas, mas dermatologistas e terapeutas capilares, por suas experiências clínicas, já conseguem tirar como base alguns fatores que indicam o aparecimento da dermatite seborreica, nome clínico da caspa. Os motivos são diversos: sabe-se que alterações hormonais, estresse, água muito quente, clima seco, frio e mudanças bruscas de temperatura agravam o quadro. E, para piorar, outros dois fatores bombásticos: o primeiro é fisiológico — os homens tendem a ter a pele e o couro cabeludo mais oleosos e os fungos da caspa fazem a festa, pois se alimentam dessa oleosidade —; e o segundo fator é social, a maioria dos homens negligenciam a ida ao dermatologista, assim o caso se intensifica e fica cada vez mais difícil saber como tratar a caspa (ou preveni-la).

Os ombros não mentem

Depois da calvície, a principal reclamação dos homens é a caspa. Você que é profissional já deve ter percebido na bancada da barbearia. Não é para menos, os floquinhos brancos atingem 40% da população mundial, sobretudo o sexo masculino. Geralmente, os sintomas — entre eles vermelhidão, irritação do couro cabeludo e, por fim, descamação da pele que é o que caracteriza a caspa — vêm acompanhados de coceira e bastante incômodo, além do aspecto visual dos pontinhos claros nos cabelos e pelos do rosto e também nas roupas – fato bastante desagradável. Detalhe: as consequências não param por aqui, quando não tratado adequadamente, o quadro pode evoluir e levar à queda capilar – é isso que os clientes precisam entender para terem uma noção plena dos riscos que correm e assumirem a responsabilidade de tratar a caspa no seu cotidiano. Portanto, barbeiro profissional, recomende ao seu cliente que não subestime o problema achando que é algo do dia a dia — quanto antes for tratado, melhor. É nessa tecla que o profissional precisa bater. Por isso, ao menor sinal dos sintomas, oriente a clientela para que lance mão de alguns cuidados adequados que inibem a proliferação do fungo, e já enfatize o quanto é importante fazer deles bons hábitos. A seguir, listamos algumas dicas preciosas que fazem grande diferença no controle da dermatite seborreica. Se for o caso, aproveite o inverno, época de maior incidência do problema, e faça panfletos com as orientações sobre como tratar a caspa e deixe no balcão do caixa da barbearia. Ou, então, envie as recomendações por whatsapp ou e-mail. Pode ter certeza de que a sua clientela vai curtir e se sentir valorizada. Confira!

como tratar a caspa
COMO TRATAR A CASPA

Fique longe de água quente

Lave o cabelo com água morna ou fria, pois a temperatura alta estimula a produção de oleosidade e favorece a formação de caspa. Vale fazer um esforcinho nesse sentido, porque a água quente contribui demais para o surgimento dos pontinhos brancos.

A lavagem perfeita

Além da temperatura da água, que precisa estar morna ou fria (ah, assim como a quente, a água gelada também é proibida!), a maneira de lavar o cabelo faz toda diferença para quem está em pleno processo de como tratar a caspa. Alguns cuidados preservam a região irritada de um desgaste maior.
*“O cabelo deve ser lavado suavemente, obedecendo a direção do crescimento natural dos fios, nunca ao contrário. É bom evitar movimentos circulares e com muita pressão também. Na barbearia, por exemplo, quem se responsabiliza por essa etapa, não pode ter unhas grandes e deve sempre utilizar a polpa da ponta dos dedos”, aconselha o tricologista Luciano Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia.

  • Todos nós sabemos que o ritual de lavar o cabelo na barbearia hoje em dia, assim como todo o período de permanência do cliente nesse espaço, é um momento de relaxar, mas que requer técnica. “Quem não gosta de uma bela drenagem ou massagem capilar? Porém, todo cuidado é pouco. O excesso de estímulo na região do couro cabeludo – e em outras áreas afetadas, como a barba, por exemplo, – pode aumentar a produção de sebo e agravar o problema, além de atrapalhar o ‘projeto como tratar a caspa’. Em fios muito oleosos é melhor que o profissional evite massagens”, aconselha a terapeuta capilar com MBA em cosmetologia Sheila Bellotti, do Rio de Janeiro.
  • Para finalizar, uma dica básica, mas fundamental: é importante utilizar um xampu de acordo com o tipo de fio e condições do cabelo, como os tingidos, cacheados, muito oleosos, secos demais...

Nunca durma com os fios úmidos

Isso é expressamente proibido! A umidade e o “ambiente” abafado do travesseiro são as condições ideais para a proliferação de fungos e bactérias. Se for inevitável lavar o cabelo à noite, seque-o completamente antes de se deitar, com o jato do secador morno ou frio, nunca quente (o princípio é o mesmo da água, para não estimular a formação de sebo).

De olho no xampu adequado

Esse é um fator que exige atenção redobrada e tem relação direta com a intensidade e o estágio do problema. Um homem que ainda não está com os sintomas, mas tem propensão à dermatite seborreica, sobretudo com a chegada do inverno, deve usar um xampu neutro ou natural à base de camomila, babosa, mirra ou eucalipto, ingredientes refrescantes e calmantes. No caso da descamação já estar instalada, é indicado o uso dos xampus anticaspa, que contêm peritionato de zinco, o ciclopirox olamina ou cetoconazol na formulação. Agora, uma superdica para aqueles homens que têm costume de usar xampus adstringentes ou anti-resíduos a fim de controlar a oleosidade natural: eles ressecam muito a pele e o couro cabeludo, provocando o efeito rebote, isto é, favorecem a descamação e, ainda por cima, estimulam mais a produção de sebo. Uma alternativa, para aliviar os fios sobrecarregados de oleosidade, é utilizar os xampus adstringentes mais suaves, aqueles indicados para cabelo oleoso.

Boné: use com moderação

Você é daqueles que não dispensa um boné? E quando não dá para ir com ele, providencia logo um chapéu ou boina? Então, está mais do que na hora de se desvencilhar desse hábito. Parece bobagem, mas esses acessórios são mais prejudiciais do que parece. Eles abafam os fios e, dessa forma, deixam o couro cabeludo com oleosidade e suor, sem poder respirar, ou seja, o ambiente é perfeito para a proliferação da caspa. O ideal é usar a peça em dias alternados ou a cada dois dias e caprichar na higiene nos dias em que optar pelo uso, deixando o cabelo secar completamente, claro.

Nada de receitas caseiras

Sugestões que envolvem a aplicação de produtos, como vinagre, limão, gotinhas disso ou daquilo, não têm nenhuma comprovação de benefício. Outra coisa que é melhor não fazer: usar produtos abrasivos para higienizar, porque irritam ainda mais o couro cabeludo. Nenhum ingrediente da geladeira, fruteira ou dispensa pode solucionar o problema. Todos podem, sim, implicar em algum risco.

Não exagere nos condicionadores e finalizadores

Está comprovado que o condicionador é indispensável na rotina dos homens. Isso mesmo, o produto não é um item opcional, ele deve fazer parte da rotina dos meninos, pois além de ajudar a selar as cutículas dos fios (abertas pelos ativos do xampu) é um cosmético que auxilia na hidratação. Reduzir o uso de cremes, finalizadores em gel e pomadas também ajuda, uma vez que esses produtos contribuem para o aumento da oleosidade do couro cabeludo.

Alimentação sob controle

Já que uma das causas da caspa é a oleosidade da pele, é natural que os alimentos ricos em gordura sejam evitados nos períodos de crise para não piorar o quadro.

Vá com calma no happy hour

Tá começando a parecer tortura, mas é verdade. Tomar aqueles drinks com a galera no final do expediente pode ser outro fator estimulante das glândulas sebáceas, o álcool ajuda a produzir mais sebo.

 

CASPA NA SOBRANCELHA?

Acredite, não é raro que os floquinhos apareçam nessa região. A maneira mais fácil de identificar se é mesmo caspa é observar manchas rosa ou vermelha com escamas na pele, que tendem a ser oleosas em vez de suaves e brancas. Nesse caso, para saber como tratar a caspa, o ideal é orientar agir exatamente como se fosse com o couro cabeludo – limpar suavemente a área afetada com um pingo de xampu anticaspa. Isso mesmo! O produto tem ativos próprios para combater o fungo da dermatite seborreica e contém ingredientes que acalmam a inflamação. Depois, para evitar qualquer acúmulo, é indicado aplicar um hidratante não oleoso sobre as manchas secas ou escamosas.
No mais, siga os mesmos princípios de quem tem pele com acne (e não deve espremer espinhas):

  • Manter os dedos longe das sobrancelhas.
  • Tentar remover os flocos de uma área já inflamada só vai piorar a situação.
  • A ordem é evitar substâncias como o ácido glicólico, peróxido de benzoíla, medicamentos para acne ou cremes antienvelhecimento, que causam ainda mais irritação.
  • De um modo geral, é a mesma conduta de como tratar a caspa do couro cabeludo, com pouquíssimas particularidades.

 

como tratar a caspa
BARBEIRO, TENHA UM PAPO RETO COM O SEU CLIENTE

Apesar da caspa ser um problema aparente, sobre o qual tanto o profissional quanto o cliente sabem que existe, é importante falar a respeito. Portanto, barbeiros e auxiliares, a primeira providência a tomar é trocar uma ideia com o cliente assim que se deparar com o menor sinal de algum sintoma: oleosidade excessiva, coceira, vermelhidão, descamação e, óbvio, os próprios floquinhos brancos. Isso para que ele, antes de qualquer coisa, possa saber como tratar a caspa e, em segundo lugar, não pense que está tudo sob controle. Como é um assunto delicado e, de certa forma, constrangedor, é preciso cautela e franqueza para lidar com o tema no dia a dia da barbearia, sem que isso se torne um drama. “Basta ter jeito e educação, mas jamais permanecer calado diante de um fato desses, pois o problema pode se agravar”, ressalta Luciano Barsanti. E, como a maioria dos distúrbios dermatológicos, as chances de controle são bem maiores quando o tratamento é feito na fase inicial.

Além dessa saia justa, existem outras que rondam o tema como, por exemplo, a responsabilidade de resolver o problema. Por isso, é bom deixar claro se o cliente insistir num tratamento mais profundo na barbearia (por falta de tempo ou de dinheiro para ir a um especialista): o profissional de estética não tem obrigação e nem conhecimento para resolver esse tipo de disfunção. O que os profissionais da barbearia podem fazer é alertar o cliente diante de qualquer alteração, como oleosidade e queda excessivas, descamações, entre outras. Cabe a eles sim, orientar o homem a procurar uma ajuda específica de um médico ou terapeuta. Inclusive, essa atitude consciente agrega valor ao serviço oferecido pela barbearia, que será vista como uma empresa séria e comprometida com a saúde dos clientes que vão poder saber como tratar a caspa.

 

Gostou das dicas? Você pode aprender muito mais nos cursos do Instituto Embelleze. Além do curso Barbeiro Academy Hair, o Instituto oferece cursos profissionalizantes de designer de cílios e de sobrancelhas, cabeleireiro, manicure e pedicure, depilação, maquiagem, massagem relaxante, biossegurança e gestão em salão de beleza e especialista em cachos. Todos com certificado para você seguir uma carreira autônoma e conquistar o sonho de ser dono de um negócio próprio!

 

Tags

caspa, barbearia, barbeiro profissional, curso de barbeiro, Instituto Embelleze, cabeleireiro profissional

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

COMO TER SOBRANCELHAS PERFEITAS
Não basta dominar dicas de maquiagem, saber como ter o cabelo mais saudável ou ter habilidade para elaborar penteados. É preciso também saber como ganhar sobrancelhas perfeitas para ter a beleza completa. Elas são responsáveis pela beleza, simetria e pelo charme do rosto. Ou seja, se não estiverem bem cuidadas, sempre irá faltar algo para completar aquela aparência mara que toda mulher quer ter.Muita gente pensa que cuidar das sobrancelhas se resume às visitas frequentes ou esporádicas a um profissional e pronto, mas não é bem assim que a coisa funciona. Os designers de sobrancelhas são mesmo verdadeiros “anjos” para trazer perfeição e encanto aos nossos rostos. Mas veja bem: os especialistas podem até ser talentosos, empenhados e experientes, porém ainda não fazem milagres. Por isso, boa parte do resultado para uma sobrancelha bonita, bem cuidada e com um olhar marcante começa em casa. Isso mesmo! Veja o que você pode fazer para começar a cuidar das suas sobrancelhas hoje mesmo. 6 dicas para ter sobrancelhas perfeitas A higiene da pele nessa região é crucial para ajudar no crescimento dos pelos, evitar quedas e a obstrução dos poros. Então, sempre que utilizar produtos para preencher as sobrancelhas, remova bem com um demaquilante. Se tem o hábito de ficar tirando um pelinho aqui e outro ali, por favor, pare! Fazendo isso, você pode afinar a sua sobrancelha ou causar danos irreparáveis. Entenda que o crescimento dos fios faz parte do processo. É como fazer faxina, primeiro a gente bagunça pra depois colocar tudo no lugar. Existe outra forma de modelar sua sobrancelha sem precisar remover pelos, como o uso de sombras específicas para sobrancelhas, nas cores cinza ou marrom. O lápis nem sempre é recomendado, pois pode obstruir os poros e impedir o crescimento dos fios. Outra dica para manter os pelos no lugar é usar uma escova própria para sobrancelhas ou um rímel incolor. Isso ajuda a deixar os fios mais harmoniosos, mas é importante que eles sejam penteados na direção do crescimento dos fios. Se a sua sobrancelha não costuma crescer como deveria, você pode acelerar o processo com produtos que estimulam o crescimento. Lembre-se de tomar cuidado com a escolha deles, adquirindo sempre de uma marca confiável. Por último, não espere muito tempo para voltar a ver o designer de sobrancelhas. Recomenda-se que as visitas tenham um intervalo médio de 15 dias, dependendo da sobrancelha. Também não é uma boa ficar trocando de designer. Se você encontrou alguém que goste, segura! Cada profissional age de um jeito e o formato da sua sobrancelha pode mudar com as trocas. Quer saber onde você pode descobrir mais técnicas para deixar as suas sobrancelhas e de suas clientes com uma aparência maravilhosa? É só dar uma olhadinha no curso de Designer de Sobrancelhas do Instituto Embelleze.
> Leia mais
Depilação íntima: veja como evitar riscos
Por causa do nosso clima tropical, a brasileira é a maior adepta da depilação íntima. E no mês dos namorados a procura pelo procedimento aumenta ainda mais nos centros de estética. Apesar de ser um dos procedimentos de beleza mais comuns entre os rituais femininos, a retirada dos pelos pubianos pode, sim, ocasionar complicações como manchas, alergia, pelos encravados e até foliculite (inflamação na raiz do pelo). E quando a questão é a depilação íntima completa dos pelos, a discussão é mais ampla. Uma pesquisa do Ambulatório de Estudos em Sexualidade Humana da Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto (SP), entrevistou 52.787 mulheres e 17.133 homens, com idade acima de 18 anos de todas as regiões do país, e concluiu que 64,3% das mulheres e 62,2% dos homens declararam preferir a área genital feminina completamente depilada. O curioso é que a justificativa para a escolha se mostrou diferente: para elas, a higiene é o principal motivo de se verem livres dos pelos, enquanto para eles, o que pesa mais é a beleza, que, segundo a responsável pela pesquisa, é um aspecto ligado à atração. A média de idade entre os homens que responderam o questionário é de 31,9 anos, enquanto a das mulheres é de 28,5 anos. De acordo com a pesquisadora, o estudo revelou que quanto mais alta a faixa etária, menor a preferência pela depilação íntima completa e maior o gosto pela extração parcial dos pelos. Depilação íntima X saúde O estudo feito pela USP de Ribeirão Preto foi realizado pela psicóloga e especialista em sexualidade humana, Maria Luiza Sangiorgi, e apontou também a ausência de sintomas clínicos vaginais após a extração completa dos pelos na região do púbis – outra dúvida que é inevitável na hora de optar pela depilação íntima completa. Segundo a especialista, a pesquisa, inédita no país, deve abrir portas para que novos e mais complexos estudos sobre o tema sejam feitos. Ela destaca que é uma abordagem importante para a prática clínica dos médicos dessa área em relação ao aconselhamento sobre hábitos, cuidados e informações das mulheres sobre a maneira mais saudável de cuidar do órgão genital. Radicalizar ou não? A questão de fazer uma depilação íntima completa ou parcial tem dois aspectos. Por um lado, a ausência total de pelos pode representar riscos, pois deixa a vulva mais exposta e, por consequência, mais vulnerável à entrada de impurezas e proliferação de bactérias, que favorecem infecções. De outro, a retirada parcial dos pelos garante certa proteção, que é minimizar essa vulnerabilidade por ter uma função de “escudo protetor”.No estudo da USP, com relação a extensão dos sintomas clínicos, o questionário perguntou às mulheres se havia algum tipo de desconforto como coceira na vulva ou corrimento vaginal notado pelas adeptas da depilação após a extração total dos pelos. De acordo com a pesquisadora, 34,95% das participantes relataram a ausência de sintomas, 16,84% afirmaram sentir vermelhidão e outros 12,96%, a ocorrência de pelos encravados. Maria Luiza reitera que não observou que a ausência de pelos influencie na aparição de sintomas. Ela sugere que talvez a técnica usada tenha mais influência, a falta de higienização dos aparelhos, por exemplo, e possam representar algum risco para a depilação íntima, mas ela conta que não foi constatado que a ausência de pelos, em si, faça mal. Já, para a dermatologista Luciana Abbade, da Faculdade de Medicina de Botucatu, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), os pelos têm função de proteção contra agentes nocivos externos, como produtos químicos, fungos e bactérias. “Infecções sexualmente transmissíveis como herpes genital e verrugas genitais, causadas por HPV, podem ter uma "porta de entrada" facilitada nas pessoas que se depilam totalmente, uma vez que a barreira natural está ausente. Além disso, os pelos pubianos protegem contra vulvovaginites e outras infecções cutâneas desta região”, afirma a médica. Jussara Kuyawa, instrutora do curso de Depilação Profissional e Massagem Relaxante do Instituto Embelleze, unidade Montenegro, Rio Grande do Sul (RS), desperta a atenção para a quantidade de mulheres que ainda prefere a depilação íntima tradicional, isto é, parcial, apenas cavada nas laterais. “Na maioria dos casos, pode-se dizer que oito a cada dez clientes fazem a retirada parcial dos pelos, a tradicional. Porém, a depilação personalizada artística ganha espaço em ocasiões e datas especiais como aniversário de casamento e dia dos namorados, com desenhos variados que são escolhidos conforme a intenção da data”, conta a professora.   O melhor método para evitar riscos na depilação íntima Como já foi dito, apesar de ser um procedimento muito comum entre os hábitos femininos, a depilação íntima implica em riscos como manchas, vermelhidão, irritação da pele, alergia, pelos encravados e foliculite, por isso é importante saber escolher o método com muita cautela e critério. As técnicas mais usadas em casa são a lâmina, que não retira o pelo pela raiz, o que faz o “efeito lisinho” durar no máximo de 5 a 7 dias, além dos riscos de cortar a pele; o creme depilatório, que age superficialmente com ação de dissolver o pelo; o aparelho depilatório, que na verdade é mais indicado para as pernas; e a cera fria, dolorida, porque a temperatura não favorece a retirada dos fios. Todas essas versões, a longo prazo, podem causar manchas na pele, por conta da agressão constante que provoca à epiderme. “De todas as técnicas utilizadas para a depilação íntima, a melhor e mais indicada para reduzir os riscos é a cera quente, pois o calor dilata os poros e facilita a saída dos pelos. Quando manipulada cuidadosamente, a cera quente minimiza a dor. Embora, hoje, o ideal seja utilizar as versões de ceras já fabricadas com anestésico para diminuir a possibilidade de um procedimento dolorido e desconfortável”, explica Jussara Kuyawa. “O segredo dessas ceras anestésicas é que elas aderem mais ao pelo e menos à pele, tornando o processo mais rápido e menos dolorido. Vale lembrar que a forma certa de aplicar a cera é no sentido do pelo; já para arrancar, o certo é puxar no sentido contrário do nascimento dos fios”, ressalta a especialista. E é expressamente proibido reutilizar a cera para uma nova depilação porque a temperatura em que ela é manipulada não é suficiente para inibir possíveis bactérias e o risco de uma infecção é alto. A utilização da cera para a retirada dos pelos tem ainda outras vantagens como deixar a pele lisinha, depois que passa o efeito do descolamento do produto; é um processo rápido, pois retira uma grande quantidade de pelos de uma só vez; é um ciclo em que o pelo demora mais para crescer já que os fios são arrancados pela raiz; em longo prazo a tendência é ocorrer a diminuição do crescimento e da espessura do pelo, cujo bulbo (poro onde nasce o pelo) com o tempo sofre grande desgaste e acaba perdendo a força. Depilação íntima sem dor Não tem jeito, para muitas mulheres depilação íntima ainda é sinônimo de dor, sofrimento e sacrifício. E parece que por mais que a indústria se empenhe na solução do problema (uma evolução na fórmula da cera aqui, uma nova tecnologia ali, um anestésico acolá), deitar na maca da esteticista ainda significa um drama para muita gente. Mas a boa notícia é que alguns truques caseiros feitos antes e depois do procedimento podem ser grandes aliados contra esse desconforto. Confira: 1 Dois ou três dias antes de se submeter à depilação íntima faça uma esfoliação na região: você pode usar um esfoliante ou aplicar um sabonete líquido suave com um pouquinho de bicarbonato. Basta fazer movimentos circulares leves, bem concentrados na raiz dos pelos. Deixe também por alguns segundos um jato de água quente direcionado na área, isso ajuda a deixar o bulbo mais relaxado facilitando a retirada dos pelos. 2 Hidrate a pele diariamente para que ela fique mais elástica e facilite a aplicação e retirada da cera, minimizando a dor. 3 A aplicação de gelo na região dolorida após a depilação funciona como anestésico inibindo a dor, mas atenção: o truque não deve ser usado antes da depilação porque a temperatura baixa tende a fechar os poros, o que torna a retirada dos pelos ainda mais dolorida. 4 Para quem sente muita dor, é melhor não se depilar no período pré-menstrual e nem durante o período menstrual porque a sensibilidade da pele aumenta. 5 O uso de pomadas anestésicas antes da depilação pode comprometer a aderência da cera e em alguns casos causar alergias e irritações na pele. Há que ter cautela para adotar essa alternativa, mas uma boa conversa com a depiladora pode ser útil. Cada um tem uma reação e resistência, pode ser que funcione para algumas pessoas.   Depilação íntima sem irritação A dor não é o único incômodo que uma depilação pode causar na pele, sobretudo na região pubiana, que é mais sensível e fica coberta praticamente 24 horas por dia, favorecendo a transpiração e a proliferação de bactérias. O quadro se torna ainda mais complicado se pensarmos que é um procedimento regular, feito com frequência, o que reduz e torna mais difícil o tempo para recuperação da pele. Por tudo isso, bom mesmo é prevenir qualquer tipo de irritação, desde uma simples descamação da pele, por reação a algum composto da cera ou creme depilatório, até um pelo encravado (que pode inflamar) ou uma foliculite. De certa forma, a encrenca pode ser evitada com cuidados simples, feitos em casa antes e depois da depilação. Veja a seguir, algumas dicas que selecionamos para você fugir desse problema. Para evitar riscos na depilação íntima, antes de ir para o procedimento lave a região ou higienize com loções pré-depilatórias. Manter a área bem limpa afasta a possibilidade de fungos e bactérias. A dica da esfoliação da região três dias antes para facilitar a retirada dos pelos e evitar a dor, é indicada aqui também com outra finalidade igualmente útil: ajudar a eliminar as impurezas dos poros e soltar possíveis pelos encravados. Como a pele depilada fica mais vulnerável, principalmente a de quem remove 100% dos pelos, é bom evitar se expor ao sol, sal do mar ou cloro da piscina antes de 24 horas após o procedimento. Caso a região esteja com alguma irritação ou sensibilidade, não submeta a área à depilação, espere alguns dias ou semanas para que a pele fique completamente curada, caso contrário o quadro pode se agravar. Após a depilação íntima evite aplicar produtos à base de álcool ou muito oleosos (aliás, hidratantes logo após a depilação não são indicados, pois podem entupir os poros). O ideal é utilizar fórmulas calmantes como aloe vera, água termal e água boricada ou fazer compressas de chá de camomila. Regra de ouro: se for possível, deixe a área bem arejada após o procedimento para a pele poder respirar. Você deve pensar nisso quando for marcar o horário da depilação. Após o procedimento, evite roupas apertadas e com tecidos sintéticos. Fórmulas de ceras e cremes depilatórios hipoalergênicos não são garantia de um pós-procedimento tranquilo. Essas versões também podem causar reações na pele.   Animada para se capacitar e ser uma depiladora profissional? No curso do Instituto Embelleze você aprende diferentes técnicas para realizar a epilação corporal, respeitando as normas de biossegurança e atendendo às exigências da fiscalização sanitária. O conhecimento aprimorado passa por assuntos específicos, como: fisioanatomia da pele e dos pelos, equipamentos e produtos, ambiente de trabalho, produtos cosméticos, procedimentos de epilação, ética profissional, e como conquistar os primeiros clientes. O profissional depilador formado pelo Instituto Embelleze é capaz de aplicar diferentes técnicas de depilação e estará apto a oferecer ao cliente um serviço de qualidade, seguro e ético.    
> Leia mais
Copyright © 2020 · Todos Direitos Reservados