Experts    |    Eu, profissional    |    Tendências    |    Guia da Beleza
Voltar

Experts

Fotos: Shutterstock

5 atitudes da mulher empreendedora

Conheça o ciclo de sucesso da mulher empreendedora e aprenda a se tornar dona do próprio negócio para transformar o seu futuro para melhor!

A natureza das mulheres, em geral, é otimista, guerreira e perseverante. Porém, profissionalmente, quando o negócio depende de outros fatores, ainda há alguns pontos em que a mulher empreendedora pode esbarrar (e se enroscar, mas nada que ela não resolva!). Um deles é a conquista do capital inicial, em muitos casos, fundamental para a o início do negócio. “Hoje a mulher tem menos acesso a linhas de crédito. Isso é um fato. A boa notícia é que está surgindo um pequeno movimento de mudança nesse sentido. Começam a nascer linhas de crédito especialmente para mulheres! O problema é que é um processo de mercado que está engatinhando, muito tímido ainda”, esclarece Marcela Quiroga, fundadora do canal Mulheres nas Vendas e diretora de expansão da Rede Mulher Empreendedora, de São Paulo, que tem em sua base 500 mil mulheres que contam com apoio e incentivo no que tange conteúdo, capacitação e consultoria de negócios.

Ousadia X Cautela

Comparada ao homem, a mulher é menos ousada, arrisca menos. Ela faz as coisas acontecerem de forma mais lenta. O homem é menos ponderado: ele vai lá e coloca seu projeto no mercado de uma vez. E se tiver rejeição, já muda tudo e parte pra outra. Isso mostra que, por um lado, o homem é ousado, mas por outro, inconsequente. Mas o fato é que, ao se arriscar, ele aumenta as chances de o negócio dar certo, uma vez que o “não” para o sucesso ele já tem!

A mulher empreendedora é cautelosa e quando se sente segura é do tipo que vai lá e faz! Não vê barreiras e quase nada pode brecar seu sonho de um negócio próprio. A mola propulsora que está por trás desse desejo é muita vontade de por a mão na massa e ver a coisa se concretizar através da satisfação dos clientes. Pronto, tá feito o ciclo de sucesso.

Uma rede do bem

Quando a mulher empreendedora vê o seu negócio ir pra frente ela gera riqueza para o entorno, não só para a sua família. Se ela abre uma esmalteria, por exemplo, e começa a crescer, ela já traz outra manicure, uma assistente e, assim, sucessivamente, à medida que o serviço aumenta. Ela impacta a própria família e a família das suas parceiras com boas condições de trabalho e, por consequência, uma melhor qualidade de vida.

Outra vantagem da mulher é a flexibilidade de horário.  Ela consegue se desdobrar em dez, acompanhar processos cruciais do negócio, fazer tudo o que é necessário no trabalho, gerenciar, por a mão na massa... Sem deixar de ir à reunião do filho na escola ou cuidar do outro filho que está doente. Em poucas palavras: ela não deixa a peteca cair, em casa e nem na empresa.

atitudes da mulher empreendedora

5 atitudes da mulher empreendedora

Ficou animada para abrir o próprio negócio? A seguir, listamos as cinco atitudes de sucesso da mulher empreendedora. Confira e vá longe!

1 Ter uma solução para o cliente

Todo mundo tem algum tipo de necessidade. Portanto, pense o seguinte: “o meu papel no mercado é oferecer a solução para uma determinada carência”. Porque se não for a solução, não existe negócio, ok? A ideia é identificar sua habilidade, olhar o que você sabe fazer e se jogar. E ter uma clara certeza em relação ao que você irá oferecer: trazer o quê e para quem? A chave é identificar potenciais clientes que precisem do seu produto. É um caminho de formiguinha, porque nada cai do céu. Saiba que isso vai levar tempo, mas nem pensar em desanimar! Afinal, você é uma mulher empreendedora.

2 Não viver de suposições

Uma vez identificada uma necessidade no mercado, é necessário validá-la e não ficar adivinhando como seria essa dinâmica na vida real. Ouvir potenciais clientes (pessoas que têm o perfil consumidor de seu produto ou serviço), ir para a rua, pesquisar, testar, confirmar nichos, falar com pessoas para saber o que elas esperam, como esperam etc. “Inicialmente, dá até para supor algumas coisas e, a partir daí, fazer a pesquisa. Mas é preciso ir para a rua e validar isso. Sentir a necessidade de perto e confirmá-la. Embora essa validação não elimine um possível erro, ela é superimportante, porque certamente leva a mulher empreendedora a errar menos, dá um direcionamento mais assertivo”, pontua Marcela Quiroga. O mote é: cada vez mais se conectar mais com as pessoas e procurar saber o que elas pensam.

3 Ser cautelosa, sim, mas inerte jamais!

Falando da posição da mulher, vimos que ainda há uma barreira quando o assunto é conseguir linhas de crédito, por exemplo. No entanto, a mulher empreendedora precisa dar algum jeito. Ela não pode esperar demais para ter o recurso para só então começar o negócio. É preciso se arriscar nem que for o mínimo possível, desde que com bom senso e responsabilidade, claro. Mas parada não dá para ficar. A saída é conseguir, de alguma forma, um capital inicial e ter extremo cuidado com o fluxo de caixa (para não perder o controle dos gastos). O primeiro passo, já que os bancos não parecem tão amigáveis com a mulher empreendedora, é fazer um empréstimo com algum familiar ou pessoa próxima e, assim, dar o start no negócio.

4 Não confundir amizade com sociedade

É fundamental muito cuidado na hora de escolher os sócios. Muitas amizades são desfeitas por uma sociedade mal estruturada. É bom pensar que o parceiro ideal não é, necessariamente, aquele que tem o melhor perfil complementar ao seu. Também não ser aquele grande amigo, considerando a afinidade e cumplicidade que existe entre vocês. Essa escolha é uma das mais complicadas quando se pensa em sociedade. São muitas coisas envolvidas, às vezes falta dinheiro, existem riscos, os desejos e as ousadias de cada um têm graus diferentes, assim como a ganância, que tem relação direta com o preço final do produto ou serviço. Portanto, os pensamentos e a postura de cada um dos sócios devem estar muito bem alinhados. Um amigo na hora de uma decisão delicada pode até atrapalhar por ter um ponto de vista diferente do seu. Aí, tenha certeza, o resultado é perder o amigo. Ou, por tudo a perder na empresa.

5 Investir em capacitação constante

A última e não menos importante atitude da mulher empreendedora é investir em educação profissionalizante. Ser dona de um salão de beleza ou uma barbearia bombando não é sinal de que a batalha está vencida e não há mais nada a aprender. Sempre há! Se dedicar a obter mais conhecimento e técnica, por meio de cursos e treinamentos, não é gasto e, sim, investimento!

Nenhum sucesso é suficiente para a equipe se dar ao luxo de parar de aprender. “Os conhecimentos técnicos inovadores do negócio, que abrangem a atividade em si oferecida no dia a dia ao cliente, como os cuidados com o barbear perfeito ou como tratar as unhas antes esmaltar, são essenciais. Mas dominar a parte administrativa, acompanhar tendências, analisar a concorrência e entender como está a exigência do consumidor, são de extrema importância para garantir que o seu negócio tenha um diferencial em relação aos demais”, explica Marcela Quiroga. São detalhes fundamentais, do tipo: como você pode ter mais eficácia na sua gestão de tempo, como encantar e fidelizar clientes etc. A mulher empreendedora ter que ter em mente que esse é um universo com uma fonte inesgotável de conhecimento e estratégias, que requer constante atualização por meio de cursos e treinamentos.

“Os salões de beleza são, por natureza, um tipo de serviço que tem diversas oportunidades de entender a dinâmica dos clientes e descobrir suas necessidades. A relação é direta. Dá para fazer promoções, entregar produtos e tecnologias novas, capacitar profissionais. Ainda mais nessa área, em que a concorrência é altíssima. Então, vale ressaltar que nesse tipo de comércio, assim como nas barbearias, espaços de depilação e esmalterias, existe um trunfo que é o contato direto com o cliente, onde é possível trabalhar constantemente a confiança e o relacionamento”, destaca a especialista em empreendedorismo. E a partir daí trabalhar a capacitação dos profissionais. “A matemática é simples: vale a pena perder um cliente por 60 reais de diferença em um serviço que o salão ao lado está entregando, com um preço mais em conta, ou é mais produtivo manter o valor mais alto e deixar de fidelizar esse cliente?”, questiona Marcela. A resposta? A mulher empreendedora tira de letra.

 

Inspire-se em histórias de empreendedorismo de sucesso de ex-alunos dos cursos do Instituto Embelleze. Depois de aprenderem uma profissão na área de beleza e de acreditarem em seus potenciais, eles entraram para o mercado e, hoje, são donos dos próprios negócios.

 

Tags

empreendedorismo, profissional de beleza, mercado de trabalho, franquia, instituto embeleze, curso profissionalizante

Comentários

Fique por dentro
Cadastre-se e receba as novidades!

Veja também ...

TRANSFORME-SE EM DESIGNER DE SOBRANCELHAS
A simetria da sobrancelha só é possível quando o pelo é retirado ou mantido no lugar certo. Às vezes, a única maneira de conseguir um visual bem alinhado é deixando os fios crescerem para depois fazer a limpeza e o desenho corretos. Mas quem quer carregar uma taturana acima dos olhos enquanto espera a transição?Bem, a melhor maneira de conquistar sobrancelhas perfeitas é confiando a beleza a um especialista no assunto. E, depois que a gente encontra o designer de confiança, nunca mais quer viver sem ele! Pensando nisso, reunimos alguns conhecimentos importantes para quem está entrando na carreira de designer de sobrancelha ou deseja aperfeiçoar as técnicas. Afinal, a área está cada dia mais competitiva e um bom designer de sobrancelha pode fazer muito sucesso especialmente entre a mulherada. Anote aí algumas dicas essenciais para aplicar nas sobrancelhas de suas clientes... 3 dicas para se tornar um ótimo designer de sobrancelhas 1. Conheça os cuidados necessários para o design Existem muitas técnicas que podem ser aplicadas para o design, mas, antes de começar o trabalho, é preciso avaliar que desenho fica bem em cada formato de rosto (veja abaixo) e qual é o método mais indicado para o tipo de pele. As opções oferecidas são várias, como a depilação com linha, para quem tem pele sensível, e a pinça, para retirar fios médios e longos e limpar os excessos sem mexer no contorno da sobrancelha. Seja qual for a escolha, aplique-a com a pele e os pelos limpos (com um algodão embebido em espuma ou loção de limpeza) para eliminar resíduos de maquiagem ou de hidratante e, assim, prevenir irritações. A esterilização de todos os materiais que serão utilizados é fundamental, pois estarão em contato direto com a pele do cliente, podendo até mesmo deixar pequenos pontos abertos.  2. Use o visagismo para um desenho perfeito Se a ideia é mudar o formato da sobrancelha para que ela fique em harmonia com o rosto, o visagismo é um recurso que pode ajudar. Além do equilíbrio no visual, ele oferece a possibilidade de se fazer um desenho que combine com a personalidade do cliente. É o método mais certeiro para imprimir o olhar marcante e harmonioso que todo mundo deseja. O visagismo consiste no estudo das proporções do rosto para encontrar o formato de sobrancelha ideal para cada pessoa. Ao contrário de muitas técnicas, o visagismo não está ligado a tendências, mas sim ao alinhamento, equilíbrio e expressividade do rosto. Veja exemplos nos quais o visagismo foi aplicado:  Sobrancelhas levemente arredondadas e curvadas no rosto quadrado    O rosto redondo combina com formas arqueadas, mas sem sair muito do desenho original   Formas retas e traços bem marcados são indicados para o rosto triangular  No rosto oval prefira formas retas com pontas curvadas    3. Prefira manter a tonalidade natural Para garantir que o rosto fique com um aspecto natural, do tipo "nasci assim", não basta apenas adequar o desenho da sobrancelha ao formato do rosto. Manter a cor dos fios em harmonia com o todo também é essencial. Portanto, mesmo que o cliente tenha o cabelo pintado, mantenha as sobrancelhas dele na tonalidade mais natural possível.    Para se tornar um expert em sobrancelhas, conheça nosso curso de Designer de Sobrancelhas ou visite uma unidade Embelleze mais proxima de você.
> Leia mais
7 erros que você não deve cometer para fidelizar clientes
Manter um freguês fiel hoje em dia é um desafio, não só nos grandes centros urbanos como nas pequenas cidades do interior. Ao contrário do que muitos imaginam, um luminoso na fachada ou o anúncio de um profissional de prestígio recém-chegado ao time não são suficientes para fixar a imagem do salão na memória das pessoas. É preciso ir muito além... A fidelização não depende só do campo de sonho que você cria para mantê-lo em seus domínios, mas também da habilidade do concorrente em incentivá-lo a pula a cerca, a fim de conferir as novidades. O verdadeiro marketing se faz de fora para dentro da empresa. Erra quem pensa que tem o consumidor nas mãos apenas por guardar uma ficha completa com os seus dados. Mais do que telefone e endereço, é importante conhecer os hábitos de cada cliente e o que mais o motiva. O processo é semelhante a um namoro: você precisa saber claramente se quer ficar com a pessoa por um fim de semana ou namorá-la de verdade. E para conservar a sua carteira de clientes, comece investindo em três ações básicas: Adotar uma estratégia de comunicação afinada, que inclui de telefones personalizados a e-mail marketing (mala direta encaminhada pelo correio eletrônico). Dar visibilidade aos atributos que deseja consolidar — profissionais altamente capacitados, ambiente confortável e aparelhos de última geração, por exemplo. Associar os seus serviços a características realmente essenciais. O que isso quer dizer? Investir em treinamento (da recepcionista ao gerente); utilizar produtos de qualidade e contar com mão de obra especializada. Afinal, de nada adianta usar o melhor item se quem aplica a técnica deixa a desejar. 7 PECADOS CAPITAIS Você não quer ver dinheiro escorrendo pelo ralo sem gerar resultados, certo? Então confira o que deve evitar na hora de planejar e por em prática suas estratégias de fidelização: 1-Nada de atendimento massificado. Ninguém quer ser mais um. Quanto mais personalizado, melhor. 2-Ignorar o que o cliente gosta ou costuma fazer pode ser um erro fatal. 3-Deixar a franqueza de lado é um engano. Por exemplo, dizer que o corte desejado pela pessoa vai ficar excelente, quando não combina com os traços dela. 4- Manter funcionários destreinados, que não sabem se comunicar corretamente e com visual inadequado, afugenta a clientela. 5-Não pensar no amanhã e receber o cliente como se fosse a sua primeira e última vez significa dar um tiro no pé. 6-Oferecer sempre os mesmos serviços e promoções não é atraente. É essencial variar o cardápio. 7-Perder de vista as atividades dos seus concorrentes. Não dá para ignorar o salão ao lado, porque o cliente sabe exatamente onde ele está. 7 TÁTICAS CERTEIRAS Quando uma pessoa tem uma experiência boa de consumo, ela pode espalhar para muitas outras e atrair mais clientes para o seu negócio. Mas o contrário também acontece, e muitos profissionais podem ser prejudicados pelo boca-a-boca. Então, comece a colocar em prática essas dicas agora mesmo! 1 –Crie uma identidade para o seu negócio: assim o seu salão não será confundido com o do concorrente da esquina. O trabalho envolve desde a escolha do nome do estabelecimento, o desenvolvimento do logotipo, a criação do cartão de visita até a apresentação nos canais de divulgação (site, redes sociais, panfletos, anúncios). Mas lembre-se: de nada adianta um visual bem alinhado se o conteúdo não corresponde. 2- Estude o seu público: qual a faixa etária das pessoas que procuram seu salão? Como elas se comportam, quais são seus gostos e preferências? Quais os hábitos de consumo desse público? Qual o comportamento de compra desses clientes? Quanto se dispõem a investir em serviços de salão de beleza? Quais serviços mais consomem? Essas são perguntas básicas às quais você deve responder para definir a persona do seu negócio. 3-Entenda o cliente infiel: há um tipo de cliente que encara a infidelidade como um valor, seja por fantasiar a fidelidade como dependência, seja por ser inconstante e viver disposto a variar, seja por ser desconfiado de tudo e querer sempre testar um novo endereço para confirmar se está perdendo ou não alguma coisa. A ordem é “não ignore esse perfil”. A grande sacada é trabalhar para atrai-lo e tentar convencê-lo de frequentar seu salão é melhor do que ir ao vizinho. Uma dica é fisgá-lo primeiro com vantagens de ocasião, enviando por e-mail, telefonema ou whatsapp descontos em datas especiais. Em seguida, adotar as táticas mais apropriadas para fidelizá-lo. 4- Faça o seu cliente se sentir importante: esse é o momento do encontro e da empatia. Chame seu cliente pelo nome, dedique contato visual, permita que se sinta confortável. Tenha também um cadastro com os dados pessoais de cada pessoa, como a data de aniversário. Na sala de espera, um sofá confortável, uma música ambiente com uma playlist de qualidade, serviços como café, chá e água sempre disponíveis à clientela, Wi-Fi gratuito e outros itens de conforto e comunidade. É claro que tudo depende do seu orçamento, mas pense que atitudes simples podem gerar um bom retorno a longo prazo. Use a criatividade para agradar. 5-Ofereça uma experiência marcante: transforme seu salão em um lugar exclusivo. Cadeiras confortáveis, acessórios higienizados, organizados e em boas condições, estrutura limpa, profissionais uniformizados, espaço para espera, decoração moderna… tudo isso ajuda a melhorar a experiência do cliente desde o momento da sua chegada até a saída. Porém, não é só a estética que agrada, o comportamento dos profissionais conta muito para deixar aquela primeira boa impressão. Receba seu cliente na porta dando as boas-vindas com gentileza, sempre perguntando como ele está antes de iniciar uma conversa. O sorriso é essencial para transmitir confiança e simpatia. Sempre que possível, não deixe seu cliente esperando. Se tiver qualquer imprevisto, comunique imediatamente a previsão para atendimento e desculpe-se pelo ocorrido. Observe o perfil do cliente para saber se ele está aberto a conversas ou se prefere um tratamento mais cordial. O silêncio também significa respeito! Sempre pergunte o que a pessoa deseja antes de iniciar o serviço. Questione como prefere o corte, por exemplo, se tem referências ou se deseja uma nova sugestão. Evite termos técnicos, a melhor linguagem é aquela que o cliente entende. É preciso dar exemplos para que ele compreenda como determinado procedimento funciona. Fale sempre a verdade! Não omita valores dos serviços ou indique técnicas que não são adequadas ao cabelo, unhas, barba ou pele do cliente. Vender serviços pode parecer lucrativo na hora, mas passa a ser um prejuízo quando o cliente decide não voltar ao seu estabelecimento. Por último, trate muito bem seus funcionários, ofereça treinamentos e a assistência necessária. Quando as pessoas são bem tratadas, elas ficam mais dispostas para transmitir ao próximo o mesmo tratamento que recebem. 6 -Abra um canal de comunicação: é importante ouvir o feedback de cada cliente sobre os seus serviços e o seu estabelecimento. Você sempre deve perguntar a opinião dos frequentadores. Observe se o cliente parece se sentir melhor e mais realizado na hora de ir embora do que quando entrou no salão. Analise o nível de satisfação. Você também pode observar as reações por meio de canais de comunicação, como em sua Fan Page do Facebook, e-mail exclusivo, ou a velha caixinha de elogios e reclamações. 7 - Mostre-se antenado: você, profissional, deve estar sempre atualizado às tendências da área da beleza. Nada de ficar “empacado” e de trabalhar apenas com o trivial. Estude sempre, atualize-se e ofereça no salão serviços diferenciados. Sabe aquela nova técnica de mechas de cabelo que está em alta na estação? E aquela texturização no corte mais bombado do momento? Ou aquela unha artística da atriz da novela?   Com essas dicas, você já consegue demonstrar ao seu cliente a importância que ele tem pra você!
> Leia mais
Copyright © 2019 · Todos Direitos Reservados